ESTUDO AVALIA IMPACTO DE POLUIÇÃO GERADA POR CAMINHÕES NA SAÚDE HUMANA

Após analisar movimento no sistema rodoviário Anhanguera-Bandeirantes, entre São Paulo e Campinas, pesquisadores calcularam o possível efeito de substituir o diesel por gás natural liquefeito.

A substituição completa do diesel usado como combustível nos caminhões de carga pesada por gás natural liquefeito (GNL) salvaria vidas, mas não seria o suficiente para evitar a maior parte das mortes que hoje se atribui como consequência da poluição do ar, indicou um estudo feito por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e do Imperial College London, no Reino Unido. De acordo com a pesquisa, publicada na revista Atmospheric Environment, o GNL ajuda a reduzir as emissões de material particulado (MP), mas não é o bastante para evitar todas as mortes atribuíveis à poluição nas cidades vizinhas às rodovias estudadas.

Para chegar a esta conclusão, os pesquisadores levantaram o fluxo dos caminhões entre São Paulo e Campinas no sistema rodoviário Anhanguera-Bandeirantes e, em seguida, estimaram a emissão de poluentes proveniente dos veículos de carga, analisando a dispersão atmosférica do material particulado, em especial as concentrações de MP10 e MP2,5. Além disso, foram levantadas estatísticas de mortes por câncer de pulmão e por doenças cardiovasculares e respiratórias em 12 cidades lindeiras às rodovias, utilizando o banco de dados do Datasus (Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde do Brasil). Utilizando a metodologia da Organização Mundial da Saúde (OMS), foi estimada também as possíveis mortes que seriam evitadas com a troca de combustível.

Os pontos de maior concentração de poluentes, segundo o estudo (que observou apenas as emissões provenientes dos caminhões), estão em Jundiaí, próximo à rodovia dos Bandeirantes, e em Cajamar, nas proximidades da rodovia Anhanguera. A menor concentração foi registrada em Campinas, em um local distante de ambas as rodovias.

De acordo com os estudos analisados no artigo, os veículos movidos a gás natural produzem entre 70% e 85% menos poluentes que a gasolina e o diesel e promovem uma redução de 10% na emissão de gases de efeito estufa (GEE) em comparação com os caminhões a diesel. Portanto, era de se esperar uma correlação entre mortes e poluição do ar.

Mas, para a surpresa dos pesquisadores, o impacto da mudança no combustível, de acordo com os modelos usados no estudo, foi menor do que o esperado. “Achávamos que haveria uma redução maior nas mortes atribuíveis à poluição do ar proveniente dos veículos pesados”, afirma Ana Carolina Rodrigueis Teixeira, do Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da USP, primeira autora do artigo. “No caso de mortes por doenças respiratórias em crianças, por exemplo, não haveria nenhuma redução nos óbitos após a substituição total do diesel por gás natural nos caminhões. Ou seja, precisamos avaliar outras fontes poluidoras, como a dos veículos de passeio e da indústria, para entender melhor como seria o impacto da redução de emissões de poluentes na saúde da população.”

Pelos cálculos dos pesquisadores, as mortes anuais por doenças cardiovasculares atribuíveis à poluição atmosférica podem ter uma variação de 8 a 296 óbitos, com uma média aproximada de 188. Para doenças respiratórias em pessoas idosas a variação é de 52 a 190 mortes e para câncer de pulmão vai de 18 a 62 mortes para o ano de 2016. Pela simulação, a mudança no combustível dos caminhões para gás natural liquefeito poderia evitar menos de 5 mortes por ano para câncer de pulmão. Com relação às doenças cardiovasculares, o máximo de redução poderia ser de 14 mortes, mas com 90% de chance de menos de cinco mortes serem evitadas. Para as doenças respiratórias em idosos, menos de 10 mortes seriam evitadas por ano.

Corredor Azul – A pesquisa foi desenvolvida no âmbito de um projeto do Research Centre for Gas Innovation (RCGI), encerrado em 30 de novembro passado, cuja proposta era avaliar a viabilidade de implantação de um Corredor Azul no Estado de São Paulo – conceito que prevê a implantação de uma infraestrutura para o uso do gás natural como combustível em veículos rodoviários. Entre os objetivos do projeto, estavam: definição da localização do Corredor Azul; locais e formas de abastecimento; e políticas e estratégias de incentivo para a implementação do Corredor. Também foram avaliadas as variações nas emissões de poluentes locais e gases do efeito estufa decorrentes da troca do diesel pelo gás natural liquefeito nos caminhões, além de possíveis impactos na saúde humana.

Segundo Teixeira, essa fase do estudo apresenta limitações, pois não levou em conta, por exemplo, a idade dos veículos em circulação nas rodovias – um dos fatores que podem impactar a quantidade de poluentes emitidos – e não analisou os microdados de saúde dos municípios lindeiros às rodovias.

“Consideramos esse estudo um pontapé inicial para a discussão de políticas públicas relacionadas ao tema”, afirma ela. “É preciso um esforço não só do lado do setor de transporte de veículos pesados, que às vezes é criticado pelas altas emissões, mas também de outros setores”, finaliza.

O resumo do artigo “PM emissions from heavy-duty trucks and their impacts on human health” pode ser acessado neste link: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1352231020305483

Sobre o RCGI: O FAPESP SHELL Research Centre for Gas Innovation (RCGI) é um centro de pesquisa financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e pela Shell. Conta com cerca de 400 pesquisadores que atuam em 46 projetos de pesquisa, divididos em cinco programas: Engenharia; Físico/Química; Políticas de Energia e Economia; Abatimento de CO2; e Geofísica. O centro desenvolve estudos avançados no uso sustentável do gás natural, biogás, hidrogénio, gestão, transporte, armazenamento e uso de CO2. Saiba mais em: https://www.rcgi.poli.usp.br/pt-br/

Com informações da Assessoria de Imprensa

CLIQUE AQUI E ACESSE OUTRAS MATÉRIAS SOBRE SAÚDE
Publicidade
spot_img

Últimas Matérias