CÂMARA APROVA TEXTO QUE JOGA A VIGÊNCIA DA LGPD PARA DEZEMBRO

Medida Provisória que trata da entrada em vigência da lei de proteção de dados tem de ser votada pelos senadores nesta quarta-feira sob pena de perder a validade

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou hoje, 25, emenda do governo à Medida Provisória 959/2020 que antecipa de maio para 31 de dezembro deste ano o início da vigência da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais).

Foi derrotada proposta para a vigência imediata da legislação. Seguiu a matéria para o Senado, onde tem que ser votada até esta quarta-feira, sob pena de perder a validade.

Com o resultado, o governo do presidente Jair Bolsonaro comemorou uma vitória, pois havia procurado fechar acordo com o objetivo de adiar a entrada em vigor da legislação. E espera placar semelhante com os senadores.

Parte da oposição também apoiou a emenda do governo. Daí porque o líder da oposição, deputado André Figueiredo (CE), liberou a votação. Um dos motivos para o acerto, informou a líder do PCdoB, deputada Perpétua Almeida (AC), seria um pedido do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a fim de evitar a vigência imediata da lei, às vésperas da eleição municipal, quando poderão haver questionamentos jurídicos acerca da preservação de dados pessoais dos eleitores. Isso seria evitado com  o adiamento até dezembro.

O líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), comentou ter fechado o acordo hoje à tarde para derrotar o parecer do relatório da matéria, deputado Damião Feliciano (PDT/PB), que previa o início imediato da vigência para agosto. Para isso, foi alterado o trecho da MP, que adia o prazo para maio de 2021.

Uma parte da base do governo defendia um período ainda maior de transição, previsto na versão original da MP: que as regras de proteção de dados só sejam exigidas das empresas, entidades e órgãos públicos a partir de maio de 2021. O Republicanos apresentou emenda nesse sentido, mas não prosperou

Líderes oposicionistas criticaram a emenda alertando que em janeiro o governo irá usar mais uma vez a pandemia para adiar novamente a vigência da legislação, com a edição de nova MP.

“Há três meses tomamos a decisão de adiar as sanções previstas na LGPD para que a legislação entrasse em vigência, por circunstâncias na economia”, reclamou o deputado Orlando Silva (PCdoB/SP), que foi relator dessa lei aprovada em  2018.

Para Damião  Feliciano, não se pode usar a pandemia como justificativa para prorrogar a LGPD se a lei foi aprovada em 2018 com prazo de adaptação de dois anos para que entrasse em vigor. Ele propôs a mudança com o apoio de 30 congressistas que apresentaram 56 emendas nesse sentido.

Fonte: Tele Síntese

Publicidade

Últimas Matérias

FÁBRICA DE CULTURA OFERECE LEITOR DIGITAL COM INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL

Sapopemba, em São Paulo,  foi uma das unidades que recebeu a câmera inteligente capaz de ler textos em vários idiomas, reconhecer cores e pessoas...

A MOBILIDADE DO FUTURO É COMPARTILHADA, MULTIMODAL E SUSTENTÁVEL

A mobilidade e as cidades devem ser planejadas juntas e priorizando a integração, o compartilhamento da frota e a necessidade do usuário A cidade...

IDEIAGOV LANÇA O PROGRAMA DE ACELERAÇÃO VISANDO FOMENTAR A INOVAÇÃO SOCIAL

Hub de Inovação do Governo de São Paulo abre seleção de Negócios de Impacto com o objetivo de amenizar os efeitos negativos da pandemia São...

BRASIL TEM GRANDE POTENCIAL PARA AVANÇAR NO TRANSPORTE METROFERROVIÁRIO

Apenas 13 regiões metropolitanas no País, de um total de 63 de médio e grande porte, contam com malhas metroferroviárias Focada na mobilidade sustentável e...

TRANSFORMAÇÃO DIGITAL, COLABORAÇÃO E O FUTURO DAS CIDADES

A vida urbana é transformada pela proliferação de novos serviços disponibilizados por meio de aplicativos ou plataformas de economia compartilhada A cidade é um fenômeno...