TECNOLOGIA E INOVAÇÃO EM FLORIANÓPOLIS

A cidade, conhecida como o Vale do Silício Brasileiro, é destaque no setor de tecnologia

Florianópolis ficou conhecida como Ilha do Silício brasileira pelo fato de ter um ecossistema tecnológico que dá origem a grandes empresas no setor. O desenvolvimento do setor só é possível pela cooperação entre o governo federal, estadual e municipal, além da presença de universidades e da iniciativa privada: projetos como a criação do programa da Lei Municipal de Inovação e o Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação (C,T&I) são essenciais para fornecer incentivo para o crescimento da área.  

Atualmente, a cidade está cada vez mais conhecida como polo de Empresas de Base Tecnológicas, contando com aproximadamente 600 empresas de software, hardware e serviços de tecnologia. Além disso, a capital catarinense foi selecionada como uma das cinco cidades brasileiras pelo Programa Cidades Emergentes e Sustentáveis (CES), desenvolvido pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), com o propósito de auxiliar governos a assegurar um desenvolvimento sustentável. 

A cidade ficou em segundo lugar no Ranking Connected Smart Cities no eixo de Tecnologia e Inovação, além de alcançar a segunda categoria no eixo de Economia. O destaque a cidade na área de Tecnologia se dá pelo fato de que Florianópolis conta com 47,7% dos empregos formais ocupados por profissionais com ensino superior e apresenta 15,8 depósitos de patentes por 100 mil habitantes. 

A Rede Municipal de Centros de Inovação é formada por quatro centros: O CIA Downtown, o CIA Primavera, o CIA Sapiens e o SOHO. O objetivo principal desses centros é fornecer capacitação na área de ciência, tecnologia e inovação, atraindo novos investidores e negócios para Florianópolis- tornando o setor de Tecnologia da cidade mais forte, atuando como uma espécie de polo tecnológico. As empresas de tecnologia da cidade recebem reconhecimento mundial e, das 10 edições do Prêmio Nacional de Empreendedorismo Inovador promovido pela ANPROTEC, seis prêmios foram destinados para uma empresa incubada em Florianópolis.

Florianópolis construiu uma infraestrutura sólida de maneira a apoiar o desenvolvimento tecnológico. Isso possibilitou que, mesmo durante a crise atual do cenário brasileiro, o setor de Tecnologia e Informação e Comunicação (TIC) apresentassem taxas de crescimento, cooperando para uma perspectiva econômica positiva no setor e nas cidades que possuem investimento na área.

Beatriz Faria
Especialista em Conteúdo da Necta - Conexões com Propósito

Últimas Matérias

ARTIGO PAULA FARIA – EMBAIXADORA MOBILIDADE ESTADÃO: ENCURTAR DISTÂNCIAS É UM DOS GRANDES DESAFIOS DA MOBILIDADE

Mais que melhorar a experiência ou a rapidez com que as pessoas atravessam a cidade, mobilidade urbana significa acesso a oportunidades *Por Paula Faria  “Como sair...

CENSO MOSTRA QUE ENSINO A DISTÂNCIA GANHA ESPAÇO NO ENSINO SUPERIOR

Em 2009, as matrículas dos calouros em EaD representavam 16,1% do total. Em 2018, elas representavam 39,8% do total de estudantes que ingressaram nas...

SMART MOBILITY

Com a pandemia do coronavírus, soluções de mobilidade individual se tornaram mais atrativas De acordo com dados da Associação Nacional dos DETRANS, o Brasil possui uma...

PROJETO DO GOVERNO CRIA MARCO LEGAL DAS STARTUPS E DO EMPREENDEDORISMO INOVADOR

Os objetivos do governo com a proposta incluem fomentar esse ambiente de negócios; aumentar a oferta de capital para investimento em startups; e disciplinar...

CIDADES HUMANAS RESILIENTES E INCLUSIVAS E A GESTÃO PÚBLICA PARA A LONGEVIDADE

Especialistas debatem como tornar as cidades inclusivas aos idosos considerando o cenário de crescente envelhecimento da população  A sexta edição do Connected Smart Cities e Mobility (CSCM)...