TECNOLOGIA DA ENGIE IDENTIFICA FOCOS DE AGLOMERAÇÃO EM TEMPO REAL NO RIO

Sistema calcula distância e emite sinais de alerta em casos de aglomeração

A partir de agora, as câmeras da Companhia de Engenharia de Tráfego do Rio de Janeiro (CET-Rio) atuarão, também, como um instrumento de combate à covid-19. Além de monitorarem o tráfego da cidade — os equipamentos serão usados para detectar aglomerações — com a ajuda de um software de Inteligência Artificial conectado ao controle dos equipamentos no Centro de Operações Rio (COR). A tecnologia, desenvolvida pela ENGIE, permitirá identificar grupos de pessoas com uma distância mínima de até 0,5 metro entre elas.

“Conseguimos, em tempo recorde — 3 dias — adaptar uma plataforma da ENGIE, que já faz a contagem e classificação de veículos para a CET-Rio, para identificar focos de aglomeração de pessoas, utilizando imagens de monitoramento, com base em diretrizes da Organização Mundial de Saúde (OMS) para riscos de contágio”, declara Leonardo Serpa, diretor-presidente da ENGIE Soluções.

SOBRE O SISTEMA

De acordo com Serpa, o sistema emite três sinais de cor para o painel do COR, que poderão acionar o Disk-Aglomeração da Secretaria de Ordem Pública (Seop), caso seja necessário.

“O sinal será verde, quando o distanciamento estiver no limite permitido, acima de 1,5 metro (recomendação da OMS). Será amarelo, se a distância entre as pessoas estiver entre 1,5m e 75cm e vermelho, quando esse distanciamento estiver abaixo de 75cm, desrespeitando o afastamento, ” explica.

Com esses dados em mãos, a CET-Rio pode comunicar à guarda municipal, que, por sua vez, poderá agir de forma proativa, dissipando a aglomeração. Ou até mesmo agir de forma planejada, identificando as áreas de afluência de pessoas, como saídas de estações de trem e metrô, por exemplo, e providenciar uma solução que evite esse ajuntamento.

O DIFERENCIAL DA TECNOLOGIA UTILIZADA PELA ENGIE

A prefeitura já conta com dois recursos para avaliar aglomerações. Um deles consegue georreferenciar os locais com maior probabilidade de aglomerações, com base em aparelhos ligados. Já o outro que permite estimar, também pelas câmeras da CET-Rio, qual o número de pessoas circulando em determinadas vias e calcular, após determinado tempo, o índice de isolamento social. O diferencial do software da ENGIE para os demais é que ele possibilita que a Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop) faça operações quase que em tempo real.

A plataforma já foi testada na segunda e terça-feira, 11 e 12 de maio, e identificou aglomerações em vários pontos da zona sul, como Copacabana e Ipanema. Além de uma concentração excessiva de pessoas no entorno do Maracanã, Tijuca, Méier e outros bairros da zona norte, assim como da zona oeste, mais especificamente na Taquara e Praça Seca.

“Vale ressaltar que essas imagens são de uso exclusivo da Prefeitura e nós, da ENGIE, não violamos o direito de imagem das pessoas, que é assegurado pela Constituição”, destaca o Leonardo Serpa. Ele declara ainda, que o sistema foi cedido sem custos para o município, numa forma de colaborar na guerra contra o coronavírus, utilizando seu know-how tecnológico para garantir a saúde da população.

Fonte: Blog da Engie

Publicidade

Últimas Matérias

TECNOLOGIA VOLTADA PARA O SANEAMENTO

A falta de acesso a rede de água e esgoto é ainda um dos principais desafios para as cidades brasileiras. Entenda como a tecnologia...

VITÓRIA: EVENTO REÚNE ESPECIALISTAS PARA DEBATER SOBRE SMART CITIES

O evento acontece em formato virtual e apresentará o Plano de Cidades Inteligentes para a capital capixaba, 5ª cidade mais conectada do País, de...

PROBLEMAS SAZONAIS X SOLUÇÕES PONTUAIS: O ERRO HABITUAL DOS PLANOS DE GOVERNO LOCAIS

Seria muito bom viver em cidades que criaram soluções criativas para lidar com os novos desafios  Aconteceu algo muito ruim na minha cidade natal: o...

ABES E BRAZILLAB FECHAM PARCERIA PARA ESTIMULAR INOVAÇÃO NO SETOR PÚBLICO

Participantes terão acesso gratuito, por um período de seis meses, aos serviços e experiência da Associação nas áreas jurídica, regulatória, tributária e mercadológica A ABES...