WEWORK BRASIL FIRMA PARCERIA COM ABO2O COM AGENDA VOLTADA PARA DISCUTIR O FUTURO DO TRABALHO

A WeWork Brasil é a mais nova associada e sede oficial da Associação Brasileira Online to Offline (ABO2O). A parceria entre as organizações visa estabelecer uma agenda de atividades para debater as transformações pelas quais a relação de trabalho passou neste período recente.

“O debate sobre o Futuro do Trabalho e os caminhos que as empresas devem percorrer para atender às novas demandas do mercado é uma pauta frequente que tratamos em nossa agenda. O tema faz parte da cultura organizacional das empresas da Nova Economia, que possuem estrutura mais horizontal e flexível, e representa o perfil de gestão das associadas. O DNA inovador e criativo dessas empresas necessita, também, de um ambiente que estimule essa convivência, portanto, ter a sede da associação na WeWork sem dúvida está em sintonia com o nosso propósito e fomentará ainda mais a evolução desta agenda”, disse Marcos Carvalho, diretor geral da ABO2O.



Em um momento em que voltar aos escritórios está sendo discutido por todo mundo, a WeWork sempre foi uma especialista em espaços de trabalho flexíveis, ajudando as empresas a encontrar e conseguir o modelo híbrido que melhor funciona para cada uma. Em entrevista à INOVATIVOS, Felipe Rizzo, CEO WeWork Brasil falou sobre as principais transformações no mercado de trabalho nos últimos anos, as tendências e o que pode ajudar as empresas a encontrar um formato mais flexível.

– Quais foram as principais transformações pelo qual o modelo de trabalho vem passando nos últimos anos? A pandemia foi a única causa ou algo já vinha se desenhando mesmo antes da Covid?

A pandemia acelerou movimentos que já estavam acontecendo no mercado de trabalho em diferentes intensidades, liderados por alguns grupos geracionais e setores da indústria. Antes de 2020, temas como transformação digital, flexibilidade de trabalho e saúde mental do colaborador pareciam estar restritos às demandas da geração Millennial e aos ambientes descolados das startups e empresas de tecnologia. Quando a pandemia começou e transformou o cotidiano de bilhões de pessoas, empresas de todos os tamanhos e colaboradores de todos os segmentos foram forçados a olhar para tudo isso. Um estudo da Gartner, por exemplo, diz que 65% dos trabalhadores revelam que a pandemia fez com que eles repensassem o papel que o trabalho ocupa em suas vidas. E 39% consideram pedir demissão se a empresa em que trabalham exigisse o trabalho presencial 100% do tempo novamente.

O mercado de trabalho atual quer flexibilidade e os colaboradores que compõem esse mercado não aceitam nada menos do que isso. Temos a oportunidade de mudar a história do trabalho e o modo como trabalhamos para sempre. O modo antigo de trabalhar, que tem sido usado há 300 anos desde a revolução industrial, está morto. Não há mais volta: times irão cada vez mais demandar autonomia para definir o melhor jeito de trabalhar a fim de conquistar os melhores resultados e aumentar a produtividade.

O perfil dos líderes também está sendo atualizado. Com a automatização dos processos burocráticos, das tarefas cotidianas e a descentralização dos colaboradores, que trabalham cada um de um lugar, outras demandas têm surgido. Os líderes desse novo contexto de trabalho precisam, principalmente, ser gestores da criatividade, criando condições para que ela emerja e canalizando a energia dos colaboradores.

É responsabilidade do líder ser o elo entre diferentes pessoas de uma mesma equipe e entre diferentes equipes, incentivando a colaboração constante. Para tanto, é preciso entender que colaboradores são pessoas adultas nas quais se pode confiar, passando de um posicionamento tradicional de “mostre-me que você é confiável” para uma atitude incentivadora de “eu confio em você”.

Além disso, faz parte do perfil do novo líder tornar seus liderados cada vez mais autônomos, em um constante processo de formação de novos líderes. Por meio dessas transformações de posicionamento, é possível incentivar a inovação, ser colaborativo e reter talentos, sem se esquecer de aumentar a competitividade da companhia. O termômetro da produtividade deixa de ser a folha de ponto e passa a ser a qualidade das entregas, o cumprimento de prazos e as relações entre colaboradores.

– Tudo indica que o modelo de trabalho predominante, a partir de agora seja híbrido. Quais os impactos desse novo conceito para o escritório?

O modelo híbrido, de fato, exige mudanças estruturais no conceito de escritório. Com a pandemia, vimos muitas empresas entregando seus espaços físicos e, agora, com a retomada do presencial em formato flexível, procurando lugares que comportam a dinâmica volátil de suas equipes, que crescem e diminuem rapidamente. É nesse momento que espaços de coworking se tornam uma solução eficiente. Isso porque tais espaços têm a capacidade de atender, rapidamente, o crescimento e a diminuição das equipes. Basta mudar de sala ou de andar dentro de um mesmo prédio – simples assim.

Nem todos os trabalhadores vão ao escritório ao mesmo tempo no formato híbrido, com isso, não é necessário um espaço físico que comporte o quadro de funcionários total das empresas. Cabe aos líderes identificarem as demandas e necessidades de suas equipes e desenhar o modelo flexível que melhor convém. E quando estão presencialmente, os colaboradores precisam se sentir confortáveis, em ambientes convidativos, que tragam na arquitetura e na decoração elementos que traduzam a descentralização organizacional, como espaços abertos, de vidro, sem divisórias, e incentivem o senso de comunidade, o bem-estar e a criatividade, com áreas de confraternização, espaços para cafés e ambientes decorados com base em projetos de design que contribuam para inspirar, envolver, criar e interagir.

– Durante a pandemia, muitos escritórios foram reestruturados. Alguns aboliram paredes e baias, tornando os espaços mais integrados e colaborativos. Comente quais foram as principais transformações, do design ao modo de usá-los.

Quando o local de trabalho proporciona um ambiente acolhedor, onde as pessoas realmente gostam de frequentar para trabalhar, isso também serve de apoio motivacional e criativo. Criar esse tipo de ambiente é um fator determinante para uma cultura organizacional que incentive o pensamento criativo e disruptivo.

Precisamos oferecer ambientes em que os colaboradores se sintam seguros e motivados. A WeWork é um desses espaços. Para além de escritórios bonitos, investimos em design com propósito. Cada unidade da WeWork é única, porque os ambientes são resultado de um projeto de design extremamente cuidadoso, liderado por uma equipe altamente capacitada e que tem em seu centro a missão de não apenas oferecer postos de trabalho, mas favorecer a interação entre os profissionais. Isso pode ser facilmente assimilado a partir de elementos como a ausência de paredes, as janelas de vidro que separam as salas de cada empresa e a largura reduzida dos corredores, para incentivar a interação entre quem se cruza.

A vista, a luz natural, as áreas externas e as plantas nas áreas internas também são elementos fundamentais de nossa estratégia de design para criar uma atmosfera de acolhimento e bem-estar. Tudo isso é pensado e desenvolvido pelo time global do Creative Studio, responsável por inovar e definir a direção estética dos escritórios da WeWork, em sinergia com equipes de design locais, responsáveis por trazerem os elementos do contexto local, como características da arquitetura, da cidade, da vizinhança, da cultura e da comunidade. Esse fluxo contribui para criar espaços familiares e cativantes, que não são apenas bonitos, mas funcionais e inspiradores.

– Quais foram os principais benefícios dessa nova relação de trabalho? 

Apesar dos últimos dois anos terem provado que trabalhar de casa é possível, depois de meses de home office, o escritório se mostrou muito importante. Ele garante a troca entre equipes, a construção da identidade da empresa e de um senso de comunidade. O que muda é que não é necessário estar no espaço de trabalho diariamente, e com isso se ganha em qualidade de vida, gastando-se menos tempo com deslocamentos, principalmente nas grandes cidades, mais flexibilidade no horário de trabalho, oportunidade de escolher o ambiente onde se quer trabalhar, entre outros benefícios que contribuem para a saúde mental do colaborador. Segundo uma pesquisa da Robert Half, por exemplo, 48% das empresas brasileiras seguirão o modelo híbrido de trabalho em 2022. Isso ilustra bem como será o futuro do trabalho, que já começou.

– Como a WeWork está se adaptando a esses novos formatos de trabalhos?

A WeWork é uma companhia que tem em seu DNA esses novos formatos de trabalho. Nascemos justamente com o propósito de atender às demandas do futuro no que se refere ao contexto do trabalho. Assim, os espaços físicos não sofreram muitas mudanças, pois eles são criados, desde a concepção até a execução, tendo como diretrizes a positividade, a afetividade do trabalho humano, o contexto local de onde está inserida a unidade, a interatividade e a relação humana entre o colaborador e o ambiente onde ele trabalha.

Tudo isso para contribuir com a inovação, a criatividade e o bem-estar – tendências para o trabalho pós-pandemia de COVID-19, mas que já aplicamos desde que inauguramos a primeira unidade. As principais adaptações foram com relação às políticas sanitárias para garantir a saúde e segurança de todos os que estão presentes, sempre respaldados pelas orientações dos órgãos de saúde competentes. Entre as adequações estão distanciamento social/profissional, higienização reforçada e sinalizações estrategicamente posicionadas. Isso não significa que não houve novidades nos negócios.

A WeWork trabalha ativamente para não apenas atender, mas principalmente contribuir com as tendências do futuro do trabalho e contribuir para que empresas, times e profissionais encontrem em nossos espaços tudo o que precisam para atingirem seus objetivos.  Pensando nessa nova maneira de trabalhar, lançamos novos produtos como o All Access, que se trata de uma associação mensal que permite aos nossos clientes reservar espaços de trabalho durante o horário comercial em todo o mundo, na unidade da WeWork mais conveniente para ele e sua equipe.

Com informações da Assessoria de Imprensa da ABO2O

CLIQUE AQUI E ACESSE OUTRAS MATÉRIAS SOBRE URBANISMO
Connected Smart Cities
Connected Smart Cities é uma plataforma multidimensional que acelera o processo de desenvolvimento das cidades inteligentes.
Publicidade
spot_img

Últimas Matérias