RELATÓRIO DA CONSULTORIA OLIVER WYMAN DESTACA TENDÊNCIAS GLOBAIS DE MOBILIDADE URBANA

O Oliver Wyman Forum, em parceria com a University of California, Berkeley, produziu o índice para mostrar como 60 grandes cidades se classificam em sua capacidade de liderar o próximo capítulo da mobilidade

A Oliver Wyman apresenta o índice deste ano com dois novos desenvolvimentos. O
subíndice de Mobilidade Sustentável, que avalia o quão bem as cidades estão
promovendo métodos de transporte verdes, e como estão garantindo que sua
infraestrutura seja resiliente aos riscos das mudanças climáticas. Esta classificação
baseia-se nas métricas existentes e em um novo indicador na infraestrutura cicloviária. A
empresa também está expandindo a cobertura para incluir mais 10 cidades: Atlanta,
Cidade do Cabo, Jeddah, Munique, Nairóbi, Oslo, Quito, Santiago, Vancouver e
Washington, D.C.



O ‘2021 Urban Mobility Readiness Index’ fornece acesso a dados extensos e ricamente
detalhado em cinco dimensões, que compreendem 57 métricas diferentes e inclui
quatro conjuntos diferentes de classificações:

Classificação geral: classifica todas as 60 cidades em sua pontuação geral de Prontidão
para Mobilidade Urbana e avalia a disponibilidade atual da cidade como uma indicação
de sua capacidade de mobilidade futura.

Classificação regional: mostra a posição relativa de todas as cidades de uma
determinada região.

Classificação das dimensões: permite ao usuário detalhar o desempenho das 60
cidades em cada uma das cinco dimensões.

Classificação da Mobilidade Sustentável: nova no Índice 2021, classifica as cidades em
sua jornada em direção à mobilidade ambientalmente sustentável. É um subíndice
compilado a partir de 15 métricas existentes relevantes para a mobilidade sustentável
e um novo indicador: infraestrutura cicloviária.

Colocando a sustentabilidade no banco do motorista

À medida que a corrida para alcançar a rede zero ganha fôlego, as cidades estão se
movendo para tornar suas redes de transporte mais verdes e saudáveis.

A interrupção é como o habitual ônibus cruzando a cidade: você espera
aparentemente uma eternidade até que um chegue e então, o próximo vem logo
atrás. Este ano, os problemas da cadeia de suprimentos desaceleraram o movimento
global de mercadorias e pisaram no freio no boom produzido pela pandemia na
demanda automotiva.

Essa sacudida vem mesmo quando nossos padrões de vida e trabalho permanecem em
fluxo e as cidades lutam para encontrar o novo normal para os sistemas de trânsito. No
entanto, uma coisa é clara: à medida que crescem as evidências sobre a ameaça das
mudanças climáticas, o futuro da mobilidade depende da sustentabilidade.

O Oliver Wyman Forum, em parceria com a Universidade da Califórnia, Berkeley, está
lançando a edição de 2021 do Índice de Preparação para Mobilidade Urbana – uma
classificação progressiva de como as cidades globais estão bem posicionadas para
liderar o próximo capítulo da mobilidade. Expandimos nossa pesquisa para incluir 10
novas cidades este ano, uma das quais – Munique – está entre as 10 melhores.

As principais cidades apresentam economias locais fortes, inovadores de mobilidade
dinâmica e, em muitos casos, externalidades positivas da continuação do trabalho
remoto, o que reduziu o congestionamento e incentivou os residentes a adotarem
opções de mobilidade fisicamente ativas, como caminhar e andar de bicicleta. Duas
cidades se destacam aqui: Estocolmo, que sobe duas posições para ocupar o primeiro
lugar pela primeira vez, e São Francisco, que salta nove posições para a segunda
posição.

Em todo o mundo, governos e empresas estão se comprometendo cada vez mais a se
zerar as emissões de carbono. Isso tem implicações importantes para a
mobilidade, visto que o transporte gera 15% das emissões globais de gases de efeito
estufa. Em reconhecimento ao desafio, estamos introduzindo um novo subíndice de
Mobilidade Sustentável que mede o quão bem as cidades estão investindo e se
organizando para tornar suas redes de transporte mais verdes e saudáveis.

As cidades escandinavas são pioneiras da mobilidade sustentável. Oslo, muitas
vezes chamada de capital mundial do veículo elétrico (VE), lidera o sub-índice,
enquanto Helsinki e Estocolmo estão entre os cinco primeiros. A capital sueca viu
durante o ano passado um aumento no número de pessoas que optaram por pedalar e
continuou a investir em estações de carregamento de VE e infraestrutura de
micromobilidade. Outras cidades europeias e várias metrópoles asiáticas também
pontuam bem em mobilidade sustentável. Elas possuem fortes redes multimodais e
sistemas de trânsito robustos que contribuem para reduzir as taxas de propriedade de
automóveis; leve em conta os desastres naturais potenciais ao desenvolver novas
infraestruturas e invista ativamente na recarga de VEs.

Sustentabilidade impulsiona o sucesso da mobilidade urbana

Oito cidades estão classificadas entre as 10 primeiras em mobilidade sustentável e as
10 melhores em geral. Uma característica compartilhada por muitos dos melhores
desempenhos é a tendência de estender e tornar permanente sua infraestrutura de
ciclismo, grande parte dela construída às pressas durante a pandemia. Berlim expandiu
o acesso ao compartilhamento de bicicletas, enquanto Boston, Londres e Milão
aumentaram o número de ciclovias. As autoridades em Paris anunciaram
recentemente que acrescentariam 180 quilômetros de ciclovias e quadruplicaram o
número de vagas para bicicletas, para 240 mil até 2026.

As cidades que mais lutaram neste ano viram o número de passageiros do transporte
público em declínio em meio a uma mudança para veículos particulares ou bloqueios
estritos durante o COVID-19, sem qualquer absorção concomitante em mobilidade
ativa ou eletrificação. Para muitos, isso foi agravado pelo declínio dos negócios locais,
especialmente aqueles em viagens e turismo.

O consequente declínio na receita de muitas empresas de mobilidade tornou mais
difícil para elas investir em inovação. Mesmo assim, o futuro oferece muitas
oportunidades, inclusive para cidades com classificação inferior em nosso Índice de
Prontidão de Mobilidade Urbana.

Com poucos sistemas legados para contê-los, as cidades do Golfo estão investindo
agressivamente em inovação de mobilidade, incluindo táxis autônomos em Dubai e o
metrô sem motorista em Riade, a ser lançado em breve.

As novas tecnologias também podem permitir que as cidades com economias em
rápido desenvolvimento pule direto para a mobilidade da próxima geração. Esse é um
dos motivos para ficar de olho em megacidades como Delhi e novos participantes do
índice, como Cidade do Cabo e Quito. Livres dos altos níveis de propriedade de
automóveis particulares, essas cidades, e outras como elas, têm a oportunidade de
transformar sua mobilidade urbana em uma direção mais sustentável.

Com informações da Assessoria de Imprensa

CLIQUE AQUI E ACESSE OUTRAS MATÉRIAS SOBRE MOBILIDADE
Connected Smart Cities
Connected Smart Cities
Connected Smart Cities é uma plataforma multidimensional que acelera o processo de desenvolvimento das cidades inteligentes.
spot_img
Publicidade
spot_img

Últimas Matérias