USP SEDIARÁ CENTRO DE PESQUISA EM INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL SOBRE CIDADES INTELIGENTES

Objetivo do novo centro em inteligência artificial é fomentar o surgimento de cidades inteligentes, inclusivas e sustentáveis

Um novo centro de Inteligência Artificial, com pesquisadores de todas as regiões do Brasil, será instalado no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos. O objetivo da iniciativa é fomentar o surgimento de cidades inteligentes no Brasil e no exterior, com foco em cinco aspectos: educação, mobilidade, meio ambiente, saúde e cibersegurança.

Coordenado pelo vice-diretor do ICMC, André de Carvalho, o novo Centro de Pesquisa Aplicada em Inteligência Artificial Recriando Ambientes (CPA IARA) está entre as seis propostas selecionadas em chamada lançada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e pelo Comitê Gestor da Internet (GCI.br). O anúncio dos novos centros aconteceu na terça-feira, 4 de maio, em evento presidido pelo ministro Marcos Pontes, do MCTI.



“A principal premissa do IARA é estimular a criação de cidades inclusivas e sustentáveis, em forte consonância com os objetivos de desenvolvimento sustentável definidos pelas Nações Unidas. Para isso, preconizamos o uso responsável dos modelos de Inteligência Artificial, de forma ética, justa, não preconceituosa e transparente”, explica Carvalho.

Segundo o professor, que é vice-presidente da Sociedade Brasileira de Computação (SBC), o IARA funcionará como uma rede, agregando pesquisadores de todas as regiões do Brasil, organizados em nós ou subsedes, localizados em diversas instituições de ciência, tecnologia e inovação. A rede IARA conta com a participação de cientistas das três universidades estaduais paulistas (USP, Unesp e Unicamp) e de outros Estados, e de diversas universidades federais (entre elas, as sediadas em São Paulo: UFABC, UFSCar, Unifesp), assim como de institutos nacionais de pesquisa (Inatel, INPE e ITA) e do Centro Universitário Facens.

“A Inteligência Artificial é hoje uma área estratégica para qualquer país. Tendo sido uma instituição pioneira nas pesquisas em Inteligência Artificial desde a década de 1980, só posso afirmar que, no ICMC, estamos muito orgulhosos pela aprovação da proposta”, destaca a professora Maria Cristina Ferreira de Oliveira, diretora do instituto.

Ela revela que o coordenador do projeto tem sido uma importante liderança, em âmbito nacional, na articulação de pesquisas na área: “Esse centro, que agrega múltiplas instituições e uma equipe diversa e valorosa, é fruto da trajetória do professor André de Carvalho e, com certeza, será um importante catalisador para o desenvolvimento de soluções inovadoras, que façam frente aos problemas complexos que enfrentamos atualmente”.

Desafios do centro

Quais as melhores formas para lidar, de modo eficiente, e respeitando a privacidade, com dados de sensores e celulares que vêm em fluxos, em grande volume e com diferentes formatos? Responder a essa questão é um dos desafios que estão dentro do escopo de atuação do IARA.

O projeto pretende implementar, analisar e validar soluções em cidades dispostas a serem laboratórios abertos. O ponto de partida para as ações da rede IARA é um município localizado na região sudeste do Pará, que possui a maior província de mineração de ferro do mundo: Canaã dos Carajás.

Um convênio já foi estabelecido entre a Prefeitura Municipal da cidade e a Universidade Federal do Pará (UFPA), contando com a participação de pesquisadores da USP. A iniciativa visa a aportar recursos, num montante de R$ 6,2 milhões, do Fundo Municipal de Desenvolvimento Sustentável, para a implantação de uma sofisticada infraestrutura de cidade inteligente.

Além disso, a rede IARA já conta com a colaboração das seguintes cidades: Fortaleza (CE), Juazeiro (BA), Monteiro Lobato (SP), Niterói (RJ), Recife (PE), São Carlos (SP), São José dos Campos (SP) e Sorocaba (SP).

O centro também vai buscar desenvolver mecanismos para lidar, de maneira rápida e eficaz, com aplicações da área de aprendizado de máquina em larga escala, a fim de atender ao grande número de demandas por modelos nas várias aplicações em cidades inteligentes.

“Nossa meta é transformar, por meio de ferramentas tecnológicas aliadas a políticas sociais, os ambientes urbanos brasileiros, que se encontram em diferentes patamares tecnológicos e sociais, propiciando que as cidades ofereçam à sua população serviços eficientes e eficazes em áreas como educação, mobilidade, meio ambiente, saúde e cibersegurança”, afirma Carvalho.

Recursos e parcerias

A Fapesp, o MCTI e o CGI.Br disponibilizarão R$ 1 milhão por ano para cada um dos novos seis centros por um período de até dez anos. Pelo menos o mesmo valor será aportado pelas empresas parceiras.

No caso do CPA IARA, nos cinco primeiros anos, o investimento privado previsto é de aproximadamente R$ 7 milhões. Já a rede IARA contará com mais investimentos, pois diversas empresas e instituições confirmaram parceria, entre elas: Intel, TIM, Ericsson, Vale, Grupo Splice, Cidade dos Lagos, Jacto, Axxonsoft, Stellantis (que inclui marcas como Fiat, Chrysler, Jeep, Peugeot e Citroën) , NESSHealth, Compesa, Instituto Eldorado, Instituto Inova, Inatel, FITec, CRIE e ATI.

Os recursos disponibilizados pelas empresas possibilitarão à rede alcançar objetivos como, por exemplo: disponibilizar a infraestrutura necessária para coleta, armazenamento, transmissão e processamento de dados a serem usados nas aplicações de cidades inteligentes; desenvolver técnicas para transformação, melhoria de qualidade, pré-processamento, modelagem e validação desses dados; formar pessoal especializado nos temas relevantes para aplicações de Inteligência Artificial.

O novo centro realizará, ainda, atividades de forma integrada com outra iniciativa sediada no ICMC: o Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI). A proposta é organizar workshops com empresas e com gestores de cidades para discutir avanços no tema, pesquisas em andamento, demandas dos parceiros e transferência de conhecimento, utilizando o modelo de sucesso desenvolvido pelo CeMEAI.

“Nossa meta é contribuir com a formação de recursos humanos qualificados, capazes de criar soluções para melhorar a qualidade de vida em ambientes urbanos. Por meio de tecnologias aplicadas, inovadoras e disruptivas desenvolvidas no centro, poderemos alavancar o desenvolvimento de novas empresas, como startups e spin-offs, incrementando assim o empreendedorismo e melhorando a capacidade de inovação das empresas e, consequentemente, a economia”, finaliza Carvalho.

Fazem parte da equipe de coordenação do CPA IARA os seguintes pesquisadores:  Gislaine Silva, da Stellantis (vice-diretora); Fabiano Prado Marques, do Centro Universitário Facens (coordenador de Educação e Difusão do Conhecimento); Arthur João Catto, do Instituto Eldorado (coordenador de Transferência de Tecnologia); Nandamudi Lankalapalli Vijaykumar, da Unifesp e do Inpe (coordenador de Relações Internacionais); e Renato Francês, da UFPA (coordenador de Relações Nacionais).

Internacionalmente, a rede IARA conta com parcerias com relevantes universidades, entre as quais podem ser destacadas: Chalmers University of Technology (Suécia); KTH  Royal Institute of Technology (Suécia); Uppsala University (Suécia); Universidade de Aveiro (Portugal); Scuola Superiore Sant’Anna (Itália); Università Degli Studi di Milano (Itália); University of Guelph (Canadá);  University of Bath (Reino Unido); University of Bordeaux (França); University of Waikato (Nova Zelândia); New South Wales University (Austrália); North Carolina State University (Estados Unidos); Universidade do Porto (Portugal); University of Twente (Holanda); University of Maryland (Estados Unidos); The National Physical Laboratory (Reino Unido); University of London (Reino Unido); Université Laval (Canadá); University College Cork (Irlanda); Norwegian University of Science and Technology (Noruega).

Com informações do Jornal da USP

CLIQUE AQUI E ACESSE OUTRAS MATÉRIAS

Publicidade
spot_img
spot_img

Últimas Matérias