A TECNOLOGIA COMO FATOR DE IGUALDADE NA MOBILIDADE

Novas plataformas devem permitir que os cidadãos confiem plenamente nos serviços de mobilidade, reduzindo a dependência dos transportes privados e garantindo sustentabilidade e eficiência ao sistema

A crise da Covid-19 interrompeu a vida como a conhecemos e suas restrições de locomoção continuam impactando o nosso dia a dia. Contudo, à medida que imaginamos como será a vida pós-vacina, podemos pensar em mudanças que moldarão o futuro de como nos movemos. 

E coincidentemente (ou não), começa a ganhar força também no Brasil o “movimento ESG”, com a priorização do meio ambiente, do social e da governança corporativa. Não consigo imaginar um setor que possa ser mais afetado por estes 3 fatores do que o transporte público. Neste pequeno texto quero falar especificamente do social, de como podemos estabelecer um transporte mais eficiente e inclusivo.



Soluções

Cidades ao redor do mundo e mesmo no Brasil, têm empregado com sucesso a tecnologia para melhorar a infraestrutura de mobilidade, como por exemplo, em Goiânia, Goiás,  e Fortaleza, no Ceará, na utilização de soluções de transporte sob demanda, mesmo durante a Covid-19. 

Novas plataformas devem permitir que os cidadãos confiem plenamente nos serviços de mobilidade, reduzindo a dependência dos modos de transporte privados e garantindo sustentabilidade e eficiência ao sistema. Ou seja, uma solução que inclua ferramentas, recursos e suporte para que se possa operar um serviço sob demanda bem-sucedido em ambientes urbanos, suburbanos e rurais; projetado para atender a todos, em qualquer lugar, incluindo idosos, pessoas com deficiência e indivíduos sem smartphones ou contas bancárias. 

Para isso, dados referentes à demografia, habitação, renda, o panorama atual do transporte, devem ser considerados para a tomada de decisão, pois têm relação direta com a geração de demanda. Ainda, os tipos de trabalho e deslocamentos, permitem analisar o comportamento da demanda e desejos de viagens. Finalmente, a renda é uma informação relevante, ao passo em que em geral pessoas com maior rendimento optam por meios de transporte individuais. 

Estes dados indicam o grau de risco da cidade para receber, operar e manter políticas públicas em favor da população. Em uma cidade com baixos percentuais de iluminação e pavimentação, por exemplo, podem ser necessárias adequações das condições e estruturas urbanísticas. Por outro lado, bons índices podem indicar uma implantação facilitada e uma melhor adesão aos serviços oferecidos. 

Considerando a demanda 

É preciso levar em consideração que a parcela economicamente ativa se caracteriza, dentre outros fatores, pela necessidade de deslocamentos. Por outro lado, a parcela não ativa economicamente, como idosos, também recorre constantemente aos meios de transporte para realizar seus deslocamentos, ainda que com menos frequência e em horários alternativos.  

O sistema convencional é a base para se obter uma leitura de dados que permita a estratificação da estrutura da oferta e demanda, transformando-as em análise de desempenho. Esta análise, em conformidade com o interesse do município em otimizar o processo operacional e expandir o sistema sob demanda, retroalimenta o planejamento e influenciará na especificação de cada novo serviço.

O transporte sob demanda é elemento-chave na rede de transporte público, devendo ser integrado ao sistema geral de mobilidade em áreas como operações, experiência do usuário e pagamento de tarifas. A plataforma deverá ser estável e ter flexibilidade para integrar-se com diferentes serviços. Deve ser intuitiva, bem como prover ferramentas administrativas e equipes de suporte para permitir que o operador gerencie o serviço e garanta a melhor experiência para a população, possibilitando que se forneça transporte acessível e eficiente a todos.

As ideias e opiniões expressas no artigo são de exclusiva responsabilidade do autor, não refletindo, necessariamente, as opiniões do Connected Smart Cities 

Leandro Aliseda
Leandro Aliseda
Country Manager Latam & Portugal da Via, onde lidera as parcerias de mobilidade sob demanda. Mais de 25 anos de experiência profissional em cargos de liderança em consultorias e tecnologia (Accenture, Deloitte e Novabase) e Mobilidade (Localiza e Hertz), com MBA pela University of Texas e mestrado em Filosofia pela UNICAMP.
Publicidade
spot_img
spot_img

Últimas Matérias