NOVO MARCO LEGAL DE SANEAMENTO

Entenda como o Governo Federal está desenvolvendo novas medidas para a universalização do acesso ao saneamento básico

De acordo com a Organização das Nações Unidas, 14% da população sofrerá com a escassez de água até 2025: nunca foi tão necessário pensar em soluções inteligentes e inovadoras para cuidar dos recursos hídricos do planeta, ao mesmo tempo que o fornecimento da rede de água e esgoto chegue para mais pessoas como maneira de reduzir a barreira da desigualdade.

Apesar do acesso ao saneamento básico ser um direito endossado pela lei brasileira, atualmente, 35 milhões de pessoas não possuem acesso à água tratada no Brasil e outros 100 milhões não têm acesso a serviços de coleta de esgoto no país. De acordo com dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI), a universalização de serviços de água e esgoto reduziram os custos anuais com saúde em até R$ 1,45 bilhão, sendo que a cada R$1 investido em saneamento, existe a economia de R$4 com a prevenção de doenças causadas pela falta do serviço.

Em Julho de 2020 o presidente da República, Jair Bolsonaro, sancionou o novo Marco Legal do Saneamento Básico. O objetivo da legislação é universalizar e qualificar a prestação de serviços no setor, sendo que o principal intuito do Governo Federal é alcançar a universalização até 2033, garantindo o acesso à água potável a 99% da população.

A nova lei extingue os chamados contratos de programa e abre espaço para que contratos de concessão sejam feitos a partir da abertura obrigatória para processos de licitação, concorrendo portanto com prestadores de serviços públicos e privados. Os contratos de programa que já estão em vigor serão mantidos apenas se possuírem metas para a universalização e possuem o prazo até 31 de março para viabilizarem a inclusão de novas metas. 

Outra mudança importante prevista no novo marco é referente ao atendimento a pequenos municípios com poucos recursos. A nova lei determina que os estados componham blocos, sendo que os municípios presentes no mesmo bloco não precisarão necessariamente ser vizinhos: isso faz com que as empresas que solicitem a licitação atendam essas regiões, assim como regiões com mais recursos. 

Cinco meses após a sanção do novo Marco Legal do Saneamento, foi aprovado um decreto para regulamentar os repasses a governos locais para apoiar licitações. De acordo com o decreto, os governos locais deverão cumprir critérios para receber os repasses da União, assim como ajuda técnica. Além disso, devem obedecer às normas da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico e devem se comprometer com a regionalização do serviço de saneamento. 

Dentro desse cenário, é cada vez mais importante que o conceito de smart cities aplicado no Brasil esteja atrelado não apenas à tecnologia e inovação, como também na resolução eficiente, inteligente e integrada de problemas como a falta de acesso ao saneamento básico. O contexto social é essencial para o desenvolvimento do planejamento urbano, levando em consideração que cidades inteligentes atuam, principalmente, para o bem-estar de seus cidadãos.

 

Avatar
Beatriz Faria
Especialista em Conteúdo da Necta - Conexões com Propósito
Publicidade

Últimas Matérias

SETOR DE TI DA PREFEITURA DE SANTOS TEM TRÊS MULHERES NO COMANDO

As mulheres também são maioria entre os servidores do Município de Santos, que detém o maior percentual de população feminina entre as cidades brasileira No...

MULHERES E O ACESSO À CIDADE

Na cidade, o acesso ao transporte e o direito à mobilidade devem ser assegurados às mulheres e para todas e todos, independente de seu...

MULHERES SÃO MAIORIA EM CARGOS DE DIREÇÃO DA SECRETARIA DE AGRICULTURA DE SP

As mulheres ocupam 52% dos cargos em instituições de pesquisa da Secretaria de Agricultura e são maioria na ocupação de cargos de diretoria e...

PIAUÍ: AÇÃO LEVARÁ ALIMENTOS A MULHERES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE

A campanha solidária organizada pela Suparc Piauí vai arrecadar alimentos para o Projeto Avançar, voltado para mulheres em situação de risco A Superintendência de Parcerias...