CIDADES HUMANAS RESILIENTES E INCLUSIVAS E A GESTÃO PÚBLICA PARA A LONGEVIDADE

Especialistas debatem como tornar as cidades inclusivas aos idosos considerando o cenário de crescente envelhecimento da população 

A sexta edição do Connected Smart Cities e Mobility (CSCM) realizado pela Necta e Urban Systems em ambiente totalmente digital – DX (Digital Xperience), aconteceu no início de setembro trazendo diversas discussões relevantes para a melhoria da qualidade de vida nas cidades brasileiras. Foram painéis de discussão, grupos de networking, rodadas de negócios e até stands em ambiente totalmente digital. A Urban Systems, sócia do Connected Smart Cities, este ano participou não apenas das discussões sobre cidades inteligentes e mobilidade, mas também em painéis nos temas de cidades participativas, urbanismo sustentável e cidades prósperas.

As projeções do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgadas em 2018, mostram que a população brasileira está em trajetória de envelhecimento e, até 2060, o percentual de pessoas com mais de 65 anos passará dos atuais 9,2% para 25,5%. No painel ‘Cidades Humanas Resilientes e Inclusivas – Gestão Pública para a Longevidade’ especialistas debateram o Índice de Desenvolvimento Urbano para Longevidade (IDL), que tem por objetivo a Mensuração do Bem-estar nas cidades tendo em vista a crescente expectativa de vida e como os gestores podem ter um plano de ação que atenda a longevidade nos municípios.

Além de Willian Rigon, Diretor Comercial e Marketing e Sócio Urban Systems e Connected Smart Cities, participaram do painel: Antônio Leitão, Gerente Institucional do Instituto de Longevidade Mongeral Aegon e Wesley Mendes da Silva, docente da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP). 

ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO PARA A LONGEVIDADE

Antônio Leitão, Gerente Institucional, Instituto de Longevidade Mongeral Aegon, explicou que a instituição tem por objetivo realizar ações e executar projetos que suportem a preparação do País (empresas, cidades, Estado e famílias) para o cenário de maior envelhecimento populacional. “O grupo trabalha com cinco pilares: Longevidade Financeira, Longevidade e Trabalho, Longevidade e Cidades, Longevidade e Comportamento além de Longevidade e Saúde, entre esses o que mais iremos falar hoje é sobre cidades”, comentou.

Em 2017, o Instituto lançou a primeira edição do Índice de Desenvolvimento Urbano para a Longevidade (IDL), pesquisando cerca de 450 cidades, com o propósito de mensurar o bem-estar nas cidades brasileiras para aqueles que passaram dos 60 anos. Neste ano, o Instituto lançou o novo IDL avaliando 876 cidades. “Após os 60 anos as pessoas passam a ter necessidades diferentes e os nossos índices visam contribuir para que os gestores públicos e privados entendam as necessidades das cidades e possam melhorar a qualidade de vida dos idosos”, comentou.

A partir do IDL, o Instituto lançou em 2018 o projeto Gestão Pública para a Longevidade (GPL) em parceria com o Fundo Nacional do Idoso. O projeto oferece capacitação técnica para gestores públicos, com foco na promoção de políticas voltadas à longevidade.

RANKING CONNECTED SMART CITIES

Ranking Connected Smart Cities e a importância do uso de dados no planejamento estratégico como forma de pensar a qualidade de vida nas cidades foi o mote da apresentação do Diretor Comercial e Marketing e Sócio Urban Systems e Connected Smart Cities, Willian Rigon. “Utilizamos diversos índices e indicadores para a elaboração do ranking e é claro que nos espelhamos em experiências do exterior, porém a Urban Systems sempre tem o cuidado de olhar para as particularidades de cada região brasileira ‘tropicalizando’ a maneira de levantar esses dados. Estamos sempre utilizando a experiência de estudos internacionais e trazendo para o contexto nacional, uma vez que a realidade brasileira é bastante diferente”, comentou Rigon.

Rigon explicou que a contextualização de indicadores de smart cities à realidade brasileira tem diversas particularidades, como o saneamento básico, por exemplo, uma vez que em outros países esse indicador não é necessariamente considerado. “Saneamento básico não é mais uma preocupação de países Europeus, por exemplo, assim como a mortalidade infantil, que, infelizmente, traz o Brasil para as primeiras posições. É importante falar de longevidade, porém não podemos esquecer dos problemas de base como saneamento, acesso a água, tratamento de esgoto e mortalidade infantil. Portanto o nosso ranking está contextualizado à realidade brasileira, com foco no desenvolvimento mundial”, explicou.

Segundo Rigon, são analisados 11 eixos temáticos no Ranking CSC – mobilidade, urbanismo, meio ambiente, tecnologia e inovação, energia, economia, educação, saúde, segurança, empreendedorismo e governança – que resultam em um diagnóstico que tem o objetivo de auxiliar os gestores públicos e privados a melhorar a qualidade de vida da população. No entanto, no Brasil, existem alguns desafios, principalmente na coleta desses dados. “Nossos desafios principais são: encontrar as fontes de informações para os dados, a frequência de a atualização dos mesmos, além da questão da confiança metodológica, onde podemos citar a segurança como exemplo, em que cada estado tem a sua metodologia de cálculo de violência o que acaba impactando e dificultando a comparação entre cidades e consequentemente o diagnóstico de pesquisas na área”, comentou.

Rigon destacou também que o diagnóstico obtido com o ranking deve resultar em um plano de ação. “É claro que se a base de dados não for consistente esse plano de ação será falho. Por isso sempre consideramos a conectividade dos setores. Por exemplo, quando falamos em investimentos em saneamento, que implica na saúde da população, que implica em gastos públicos, o que afeta a governança e assim por diante. Essa conexão existe para tudo, inclusive para os planos estratégicos de desenvolvimento de cidades que precisam do envolvimento e conexão de diversos atores como os gestores públicos, privados e academia, isso após entender os problemas específicos de cada localidade”.

Confira AQUI a apresentação completa do Willian Rigon, responsável pelo Ranking Connected Smart Cities.

SMART CITIZEN

O professor Wesley Mendes da Silva, da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP), encerrou a primeira parte do painel trazendo a reflexão de que, além de falar sobre as smart cities (cidades inteligentes) é importante falar sobre o smart citizen (cidadão inteligente), pessoa capaz de acompanhar e monitorar a qualidade da gestão e informação pública.

“É importante entender a importância do acesso a informação e como isso pode melhorar a qualidade de vida das pessoas. O projeto que temos colaborado com o Instituto Mongeral Aegon começa na questão na frequência de decisões baseadas na ignorância, o que entendemos como falta de informação. Vivemos uma época de muita informação e é importante termos disciplina de filtrar essa informação, portanto a educação é o centro de tudo isso, para que as pessoas possam exercer sua cidadania, processando as informações e tomando decisões com qualidade”, explica.

Silva citou como exemplo uma questão comportamental que afeta diretamente na saúde das pessoas como a diabetes. Segundo ele, o Brasil é um dos líderes mundiais em diabetes devido a estilo de vida sedentário, consumo de alimentos inadequados, insuficiência de aparelhos públicos para exercícios físicos, déficit de tratamento de saúde, entre outros o que pode levar a amputação dos membros ou perda de visão. “A gestão, no nível das cidades, pública ou privada, muitas vezes é pouco inteligente. Por isso é imperativo ter informações suficientes e capacidade de utilizar essas informações para tomar decisões razoáveis. Portanto temos oportunidades para os gestores públicos e privados com respeito a promoção de smart cities, mas condicional ao indivíduo ser o centro e a finalidade desse processo. É necessário informar o cidadão para que ele possa consumir de forma a assegurar seu bem estar”, comentou.

Para concluir o professor comentou que a qualidade de governança de uma cidade implica em um ambiente de incerteza que induz a população a tomar decisões que não ajudam na sua qualidade de vida. Portanto a disponibilização de informação e a coleta de dados como o IDL auxiliam a população, gestores públicos e privados acerca de iniciativas inteligentes para gestão das cidades, estimulando as smart cities e smart citzens. “A medida que a preservação e divulgação de dados críveis, informações de qualidade, seja valorizada no Brasil, iniciativas que melhorem a qualidade de vida da população terão mais facilidade em acontecer”.

Urban Systems oferece serviço de diagnóstico e planejamento de cidades, visando questões como cidades inteligentes, sustentáveis, humanas e resilientes. Saiba mais sobre os serviços para cidade acessando aqui.

O painel aconteceu ao vivo e contou com apresentações e debates entre os participantes, clique aqui para acessar o painel.

Fonte: Urban Systems

Publicidade

Últimas Matérias

TECNOLOGIA VOLTADA PARA O SANEAMENTO

A falta de acesso a rede de água e esgoto é ainda um dos principais desafios para as cidades brasileiras. Entenda como a tecnologia...

VITÓRIA: EVENTO REÚNE ESPECIALISTAS PARA DEBATER SOBRE SMART CITIES

O evento acontece em formato virtual e apresentará o Plano de Cidades Inteligentes para a capital capixaba, 5ª cidade mais conectada do País, de...

PROBLEMAS SAZONAIS X SOLUÇÕES PONTUAIS: O ERRO HABITUAL DOS PLANOS DE GOVERNO LOCAIS

Seria muito bom viver em cidades que criaram soluções criativas para lidar com os novos desafios  Aconteceu algo muito ruim na minha cidade natal: o...

ABES E BRAZILLAB FECHAM PARCERIA PARA ESTIMULAR INOVAÇÃO NO SETOR PÚBLICO

Participantes terão acesso gratuito, por um período de seis meses, aos serviços e experiência da Associação nas áreas jurídica, regulatória, tributária e mercadológica A ABES...