ARTIGO: COMO AS CIDADES SUSTENTÁVEIS IMPACTAM NA SAÚDE DAS PESSOAS

Das doenças que ficaram em evidência com a pandemia, a obesidade é a que mais tem crescido no Brasil. O número de pessoas obesas aumentou 70% nos últimos 15 anos, chegando a representar mais de 20% da população

*Por Myriam Tschiptschin, gerente da Unidade Smart Cities e Infraestrutura Sustentável

Logo no início da pandemia da Covid-19 constatou-se que a taxa de letalidade causada pela doença era mais alta entre pessoas com problemas crônicos de saúde, mais especificamente obesidade, diabetes, hipertensão e problemas cardíacos/respiratórios – doenças fortemente influenciadas pelos nossos hábitos e lugares onde vivemos.

Segundo estudo realizado pela Embrapa, mais de 80% dos brasileiros vive hoje em centros urbanos e é, nesse contexto, que a transformação das cidades passa, portanto, a ser determinante na busca por saúde e qualidade de vida – aspectos tão desejados no contexto pós-Covid-19.

Das doenças que ficaram em evidência com a pandemia, a obesidade é a que mais tem crescido no Brasil. O número de pessoas obesas aumentou 70% nos últimos 15 anos, chegando a representar mais de 20% da população. Além disso, dados do Ministério da Saúde indicam que mais da metade dos brasileiros já é considerada com sobrepeso.

A mobilidade urbana influencia fortemente as taxas de obesidade e diabetes da população.  Os gráficos abaixo extraídos de estudos norte-americanos indicam respectivamente menor taxa de diabetes em cidades com mais pessoas fazendo o trajeto casa-trabalho a pé ou de bicicleta e maior taxa de obesidade nas regiões mais dependentes do carro.

Os dados deixam claro que o investimento em mobilidade urbana ativa não é apenas uma ação em prol do meio ambiente, mas também uma maneira de diminuir o impacto dos gastos com saúde nos cofres públicos.

Sabe-se que obesidade e diabetes são resultado não somente do sedentarismo, mas também de hábitos alimentares pouco saudáveis. Como é possível termos uma diversidade tão pobre de alimentos naturais e orgânicos nos supermercados se vivemos em um país de dimensões continentais, com solo e clima favoráveis e que é considerado uma das principais potências agrícolas do mundo? A partir deste questionamento, a implantação de Fazendas Urbanas passa a ser umas das principais estratégias na busca pelo desenvolvimento de cidades inteligentes, sustentáveis e saudáveis. Além de contribuir para a economia local, esta iniciativa representa forte impacto na redução de emissões geradas pelo transporte de alimentos e na saúde alimentar da população.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a poluição do ar mata 7 milhões de pessoas por ano. Mais de 80% da população urbana em todo mundo é exposta diariamente a níveis de poluição acima dos limites de segurança estabelecidos pela OMS.

Nesse sentido, a pandemia está novamente chamando a atenção para uma realidade que precisa de mudanças drásticas: estudos mostraram que a taxa de mortalidade por Covid-19 é maior em cidades mais poluídas. Por outro lado, foi durante a quarentena que ficou claro o impacto da diminuição da dependência do carro na melhoria da qualidade do ar urbana.

Na busca por ares mais limpos, outra estratégia fundamental é aumentar significativamente a vegetação urbana. Além de captarem gás carbônico (CO2) e liberarem oxigênio (O2) no processo de fotossíntese, as plantas recebem a deposição de material particulado em suas folhas, tornando o ar mais puro. A fotossíntese também libera no ar partículas de água que absorvem calor do ambiente, o que ajuda na melhoria do microclima urbano e, consequentemente, no conforto térmico e na saúde das pessoas.

O contato com a natureza contribui ainda para a redução dos níveis de estresse dos habitantes e com uma melhora na saúde mental da população em geral. Uma pesquisa realizada por Mary Carol Hunter, da School for Environment and Sustainability, da Universidade de Michigan, identificou uma redução de 21% no indicador de estresse Cortisol Salivar em 36 adultos que vivem em cidades, após estes experenciarem idas diárias de 20 a 30 minutos, ao longo de 8 semanas, a espaços urbanos com natureza.

Cidades mais vegetadas também estão relacionadas com a restauração do ciclo hidrológico natural, capaz de equilibrar o regime de chuvas e possibilitar a recarga dos nosso lençóis freáticos. Chegamos aqui em mais um aspecto de extrema importância na relação da saúde com as cidades – a infraestrutura de saneamento básico. Historicamente, diversas epidemias e pandemias ganharam escala mundial devido à falta de infraestrutura adequada nas aglomerações urbanas, como a Cólera e o Ébola.

No Brasil, onde somente 46% do esgoto é tratado, as doenças relacionadas à precariedade do saneamento básico foram responsáveis por 73,4 mil mortes entre os anos de 2008 a 2017.

Pensar no desenvolvimento das cidades a partir do conceito de saúde urbana não é novidade. Quase todas as epidemias foram historicamente seguidas de significativas intervenções urbanas, como por exemplo a Lei Sanitária e a abertura de grandes avenidas promovidas por Hausmann na Paris do final do século XIX. De lá para cá, muito mudou do que entendemos por Cidade Sustentável.

Vivenciamos o Modernismo aplicado a cidades e, a partir da crítica aos seus aspectos monofuncionais e rodoviaristas, já estamos experenciando, em muitos lugares, o modelo de desenvolvimento urbano compacto e amigável ao pedestre, teorizado em 1961 por Jane Jacobs em seu livro “Morte e Vida das Grandes Cidades”, impulsionado em 1993 pelo Congresso do Novo Urbanismo e aprofundado em 2013 por Jan Gehl, em seu livro “Cidade para Pessoas”.

Mais recentemente, parâmetros de saúde e bem estar aplicados ao desenvolvimento de projetos urbanos  – sejam eles novas urbanizações ou requalificação de comunidades existentes – foram criados através das certificações ambientais Well e o Fitwel. Através de conceitos, requisitos e métricas, esses selos incentivam, no desenvolvimento dos projetos, práticas como a criação de fazendas urbanas, espaços contemplativos para restauração mental, bebedouros de acesso público, bem como infraestrutura cicloviária e de estímulo ao pedestrianismo.

Soma-se a esta reflexão o fato levantado por diversos estudos científicos de que o aparecimento do Novo Corona Vírus é resultado de um desequilíbrio do ecossistema causado pela forma que os seres humanos têm se desenvolvido no território.

Neste sentido, uma forma de honrar as mais de 100 mil pessoas que morreram no Brasil até o momento pela Covid-19 é entendermos essa crise como uma grande lição a ser aprendida. Temos a oportunidade para transformar por completo o desenvolvimento das nossas cidades, na busca por sustentabilidade e equidade na garantia de saúde e qualidade de vida de todos.

Unidade de Smart Cities do CTE presta consultoria para as certificações citadas nesta matéria – Sustainable Sites, Well Community e Fitwel Community – além de outros selos de sustentabilidade para projetos de escala urbana, áreas externas e obras de infraestrutura. Conheça mais clicando aqui.

*Myriam Tschiptschin é Arquiteta e Urbanista, especialista em Novas Tecnologias aplicadas à Arquitetura e a Cidades pela Universidad de Alcalá em Madri e é Mestre, pela FAU-USP, na área de Planejamento Urbano e Regional. Além de pesquisadora na área de sustentabilidade, em 2011, tornou-se LEED® Accredited Professional pelo US Green Building Council (USGBC) e, desde então, atua como consultora de diversos projetos sustentáveis em nível nacional e internacional.

Últimas Matérias

INFRA EM PAUTA LANÇA NOVA PROGRAMAÇÃO PARA DEBATES DE TEMAS DE INFRAESTRUTURA

Com agenda fixa às segundas-feiras, os organizadores do programa Infra em Pauta irão repercutir os temas mais importantes do setor das 15h às 16h. A...

‘PRIMEIRO CARRO VOADOR DO MUNDO’ É AUTORIZADO PARA RODAR EM VIAS DA EUROPA

O modelo passou em testes de alta velocidade em pistas ovais, além de testes de frenagem, emissão e poluição sonora O PAL-V Liberty agora poderá...

TURISMO SUSTENTÁVEL

O setor é responsável por 10% do PIB e conta com 1,2 bilhões de turistas anualmente O Smart Sustainable Tourism for Development é conceito caracterizado...

EMPREENDEDORISMO EM SMART CITIES

O fomento ao empreendedorismo e a inovação tecnológica pode ser a solução para as cidades melhorarem estatísticas.   Nunca foi tão importante discutir empreendedorismo como neste...

LONGEVIDADE EM SMART CITIES

Como cidades humanas, resilientes e inclusivas devem se adaptar ao cenário do envelhecimento crescente da população.   De acordo com a segunda edição do Índice de...