SEGURANÇA NO TRÂNSITO

Como promover um caminho para uma cultura de paz na mobilidade urbana e reduzir o número de acidentes de trânsito

Com 70% da população mundial indo morar em áreas urbanas até 2050, a demanda por transporte crescerá muito nos próximos anos. Com isso, novas tecnologias estão sendo desenvolvidas para prevenir o aumento do congestionamento e acidentes, como veículos autônomos e fiscalização do tráfego através de IoT e Big Data. 

Em uma smart city, a integração entre sistemas inteligentes é essencial: dentro do trânsito, por exemplo, é preciso que existam câmeras inteligentes que possam alertar a polícia e o hospital no caso da ocorrência de um acidente em que seja necessário o atendimento à vítima. Essa proposta já é uma realidade no Brasil, como aponta Rodolfo I. Meneguette e Fabio R. Manzano, Professor do Instituto Federal de São Paulo Campus Catanduva e Secretário Municipal da Secretaria de Desenvolvimento de Catanduva,  “nosso trabalho propõe uma solução web para o gerenciamento de interdições em vias públicas da cidade de Catanduva proporcionando dessa forma um sistema que disponibilize informações em tempo real dos locais que estão interditados ao SAMU e outros órgãos. Assim, possibilitando que as viaturas desviem dessas regiões de tal forma a diminuir o tempo de chegada a ocorrência”. 

Rodolfo I. Meneguette e Fabio R. Manzano irão participar do Connected Smart Cites Digital Xperience, compondo o painel de Segurança no Trânsito dentro do contexto de Mobilidade para as Pessoas. O painel irá analisar as causas e medidas para redução de acidentes de trânsito e contará com a presença também de Guto Castro, Diretor do Departamento de Comunicação da Secretaria Municipal de Mobilidade, e de Thiago Patricio Valentim da Luz, Organizador do Motoristas pela Vida.

É preciso trabalhar para uma cultura de paz na mobilidade urbana. De acordo com Guto Castro, “para Aristóteles, a ideia de ética está ligada a felicidade – o Bem Supremo. Todavia, essa felicidade não pode ser construída individualmente. Ela deve ser, portanto, uma construção coletiva das pessoas na cidade, no trânsito, visando o fim último que é o bem-estar de todos e o combate a violência na mobilidade”. Com isso, transformar o sistema de controle de tráfego inteligente não é só mais uma medida tecnológica dentro das cidades, mas uma medida que pode poupar vidas e promover uma cidade mais pacífica.

Para mais informações sobre o evento, clique aqui. 

Beatriz Faria
Especialista em Conteúdo da Necta - Conexões com Propósito

Últimas Matérias

EMPREENDEDORISMO EM SMART CITIES

O fomento ao empreendedorismo e a inovação tecnológica pode ser a solução para as cidades melhorarem estatísticas.   Nunca foi tão importante discutir empreendedorismo como neste...

LONGEVIDADE EM SMART CITIES

Como cidades humanas, resilientes e inclusivas devem se adaptar ao cenário do envelhecimento crescente da população.   De acordo com a segunda edição do Índice de...

ARTIGO PAULA FARIA – EMBAIXADORA MOBILIDADE ESTADÃO: ENCURTAR DISTÂNCIAS É UM DOS GRANDES DESAFIOS DA MOBILIDADE

Mais que melhorar a experiência ou a rapidez com que as pessoas atravessam a cidade, mobilidade urbana significa acesso a oportunidades *Por Paula Faria  “Como sair...

CENSO MOSTRA QUE ENSINO A DISTÂNCIA GANHA ESPAÇO NO ENSINO SUPERIOR

Em 2009, as matrículas dos calouros em EaD representavam 16,1% do total. Em 2018, elas representavam 39,8% do total de estudantes que ingressaram nas...

SMART MOBILITY

Com a pandemia do coronavírus, soluções de mobilidade individual se tornaram mais atrativas De acordo com dados da Associação Nacional dos DETRANS, o Brasil possui uma...