O USO DE DADOS DURANTE A PANDEMIA

O Connected Smart Cities entrevistou o Diretor de Negócios de IoT da Claro e a presidente do Brain da Algar Telecom para discutir as tendências que o coronavírus trouxe para conectividade no Brasil 

Com as medidas de isolamento social impostas pela pandemia, muitas pessoas passaram a trabalhar e estudar em casa- o que criou uma expectativa para que a demanda de internet crescesse: na Europa, durante os meses mais acentuados de contágio, o consumo de banda larga apresentou uma alta de 10% a 20% em países como Alemanha e Reino Unido, chegando a até 40% na Itália, país que teve o maior número de casos registrados na Europa. 

De acordo com a Agência Nacional de Telecomunicações, o uso da internet de fato cresceu durante a quarentena. O aumento foi de 40% a 50%, sendo que o perfil de utilização também mudou com as medidas de isolamento social: os horários de utilização se assemelham à um domingo, ou seja, existe pouca utilização pela manhã, com um aumento na parte da tarde e um pico durante a noite. 

Segundo a presidente do Brain da Algar Telecom, Zaima Milazzo, serviços e plataformas online tiveram que se adaptar a maior demanda imposta pela realidade do coronavírus: “Em função de todas estas mudanças, as prestadoras reforçaram o monitoramento constante de sua infraestrutura para manter a qualidade da conectividade oferecida aos clientes e estão mantendo equipes de plantão para atender aos pedidos de reparo de redes e serviços para novas ativações”

Empresas de telecomunicações, como a Algar Telecom e a Claro, passaram a exercer um papel fundamental durante a pandemia para garantir que empresas, instituições de ensino e outros setores pudessem continuar atuando, mesmo que ‘a distância’. Zaima Milazzo também ressaltou que, nesse momento, é fundamental que as autoridades possibilitem a instalação e manutenção de infraestrutura e antena para que as pessoas tenham acesso à internet.

A tendência de migrar para o ‘online’, apesar de ter sido intensificada durante a pandemia, já era um processo que estava ocorrendo no Brasil. De acordo com a pesquisa TIC Domicílios 2019, 64% das escolas urbanas já contavam com um ambiente ou plataforma de ensino a distância (EAD), sendo que em 2018 esse número era de 47%. Essa tendência, conforme apontou o Diretor de Negócios de IoT da Claro, Eduardo Polidoro, deve se perpetuar em uma realidade pós coronavírus: “O tráfego além de aumentar, devidos às novas conexões e às conexões de vídeo, também se espalhou. Antes, os grandes links se concentravam nos centros empresariais e agora esse consumo está mais disperso. Isso deve permanecer no pós-pandemia, devido à quantidade de empresas que devem aderir ao Home Office”. 

A conectividade se tornou o principal pilar para garantir a funcionalidade das cidades durante esse período e é preciso aproveitar a aceleração dos processos de transformações digitais para aumentar a eficiência dos serviços. Segundo Zaima Milazzo, para isso é preciso que exista um ambiente regulatório e fiscal mais favorável para o desenvolvimento de um Brasil digital: “O Brasil precisa aproveitar essa oportunidade única para aumentar a produtividade e eficiência do setor público e privado e levar melhores serviços para nossos cidadãos, por meio da digitalização. Vivemos a “era” da banda larga de altíssima velocidade, das cidades conectadas, da internet das coisas e, em breve, da inteligência artificial e da tecnologia 5G. A tecnologia está disponível, as empresas privadas possuem competências, tecnologias e estão ávidas para aplicá-las. Mas, para isso precisamos conseguir que o governo insira nosso setor em sua agenda estratégica”. 

O governo federal publicou em uma edição extra do DIário da Oficial da União, que circulou na quarta-feira (17), dois decretos que regulamentam a lei de teles e detalham o ‘canal de rede’. Ambos foram assinados pelo novo ministro das Comunicações, Fábio Faria, sendo que o Decreto 10.402 trata das condições de renovação automática das frequências de telefonia celular e medidas de migração de regimes de concessões para autorização do serviço de telefonia fixa. 

O decreto atende as demandas da Anatel e operadoras de celular ao estabelecer condições para as autorizações de telecomunicações, permitindo a migração das concessões de telefonia fixa para um outro instrumento jurídico e estabelecendo regras para as empresas que decidirem fazer essa transição. Outro ponto do decreto detalha os procedimentos de prorrogação de autorizações de radiofrequência, sendo que ao fim deste ano a União deveria abrir novas licitações. Desse modo, a renovação acontecerá a partir de autorizações, sendo que a Anatel deverá avaliar esses pedidos e considerar aspectos como o cumprimento das obrigações assumidas, aspectos concorrenciais e atendimento ao interesse público. 

Beatriz Faria
Especialista em Conteúdo da Necta - Conexões com Propósito

Últimas Matérias

STARTUP DO CIETEC DESENVOLVE TESTE TOTALMENTE NACIONAL DE DIAGNÓSTICO DA COVID-19

Teste de baixo custo e alto desempenho, em desenvolvimento pela Biolinker, visa gerar kits para a detecção de anticorpos contra o novo...

ENERGIA RENOVÁVEL

O investimento no setor pode economizar bilhões de dólares a longo prazo, além de ser essencial para a construção de cidades inteligentes...

O PAPEL DA REGULAMENTAÇÃO NA TRANSIÇÃO PARA ELETROMOBILIDADE

A regulamentação do transporte público por ônibus é um dos principais mecanismos para garantir e viabilizar a prestação do serviço. Os modelos...

CURITIBA TERÁ CÂMERAS COM RECONHECIMENTO FACIAL EM PONTOS ESTRATÉGICOS

Lançamento da Muralha Digital, quase 500 novas câmeras de videomonitoramento serão instaladas em pontos estratégicos da cidade até o fim do ano

#ConectaTalks com a conselheira para o Desenvolvimento Sustentável no Serviço Econômico da Embaixada da França | Françoise Méteyer-Zeldine destaca a cooperação entre as empresas...

Paula Faria, CEO da Necta e idealizadora do Connected Smart Cities & Mobility, especialista em mercados de cidades inteligentes, mobilidade, aeroportos, segurança...