COMO SÃO PAULO TEM MUDADO A ÓTICA SOBRE O PLANEJAMENTO URBANO?

Os desafios que a grande metrópole enfrenta para se tornar mais acessível e por qual razão, mesmo tendo diversos problemas de mobilidade, é um exemplo mundial a ser seguido

Contando com 7.943,82 km² de área territorial e 39 municípios, a Grande São Paulo é considerada um dos principais centros de negócios do mundo, sendo responsável pelo deslocamento de quase 8 milhões de pessoas que cruzam diariamente os 365 quilômetros de extensão do Metrô e os sistemas da CPTM, na Região Metropolitana de São Paulo.

Em 2019, O Ranking Connected Smart Cities, desenvolvido pela Urban Systems em parceria com a Necta, definiu São Paulo como a cidade com melhor mobilidade e acessibilidade do país, sendo que um dos elementos chaves para esse resultado foi a quilometragem de ciclovias. Mesmo com todos os problemas que a grande capital enfrenta diariamente, devido ao grande fluxo de indivíduos que cruzam a cidade, existe cada vez mais um cuidado com o cidadão essencial para entender o sucesso da abordagem que São Paulo tem com o seu planeamento urbano.

Um dos principais desafios de uma região com essa magnitude é a de garantir a mobilidade cotidiana. Só na cidade de São Paulo existem 8 milhões de veículos, sendo 83% na modalidade individual e apenas 0,5% de veículos coletivos. Nesse sentido, o desafio se torna cada vez mais pensar na mobilidade urbana com o objetivo de organizar um espaço público voltado para os pedestres.

O crescimento da frota de carros tem consequências para o cenário do espaço urbano, sendo que é cada vez mais comum ver nas grandes cidades vias alargadas e, consequentemente, calçadas diminuídas e imensas áreas destinadas para estacionamento e árvores suprimidas. Historicamente, a trajetória do desenvolvimento urbano normalmente priorizou os automóveis e deixou as pessoas como coadjuvantes, o que resultou em cidades com um espaço público que não foi criado para a circulação de pedestres.  E o resultado é um trânsito caótico devido a imensa circulação de automóveis.

Os problemas da mobilidade urbana são, portanto, consequência de décadas de planejamentos voltados para veículos e que necessitam de alterações culturais expressivas para um futuro sem congestionamentos. Contudo, existe cada vez mais um movimento de mudança quando se trata de mobilidade urbana, que é priorizar as pessoas que circulam nesse espaço.

A constante busca de melhorias para o transporte público de São Paulo em conjunto com a Política Nacional de Mobilidade Urbana, que conta com o desenvolvimento de ações como: o Programa Ruas Abertas, a redução de velocidade nas vias e a abertura de ciclovias. Essas ações são parte da mudança no caráter de como se pensar soluções para a mobilidade urbana, de maneira que o seu planejamento esteja voltado para o elemento mais vulnerável do processo: o pedestre.

Com a chegada do coronavírus, as medidas de isolamento social são mais complicadas em grandes metrópoles como a cidade de São Paulo, sendo que o transporte coletivo exerce um papel fundamental para a contenção do vírus: de acordo com o depoimento do prefeito Bruno Covas dado para o portal de notícias R7,  “A capital não é uma ilha como a Nova Zelândia. Não somos isolados do mundo. Nossa região metropolitana é interdependente e nossas ruas se misturam. São 1.746 ruas que começam numa cidade e terminam em outra. Não há divisas. Temos que organizar isso juntos”

Ainda, com os serviços essenciais funcionando, muitos trabalhadores continuaram a rotina de trabalho e fotos que circulam nas redes sociais mostram o transporte público lotado. Se a mobilidade urbana já era um desafio sem a pandemia, agora, mais que nunca, gestores públicos devem entender como deslocar esses trabalhadores sem expor a população ao risco do contágio. 

Além do uso obrigatório de máscaras, a Secretaria de Mobilidade e Transportes e a SPTrans determinaram que os terminais de ônibus devem contar com marcações no chão para delimitar espaço nas filas e evitar aglomerações. Além disso, a SPTrans disponibiliza equipes de campo para monitorar a movimentação de passageiros durante o período de quarentena para garantir a segurança e auxiliar na tomada de decisão. 

RANKING CONNECTED SMART CITIES

São Paulo se manteve na primeira posição no recorde de mobilidade e acessibilidade do Ranking Connected Smart Cities desde 2015, sendo que esse resultado deve-se principalmente à conexão interestadual e conexão aeroviária (Congonhas e proximidade a Guarulhos) e a quilometragem de ciclovias- a cidade possui 504,0 km de vias com tratamento cicloviário permanente, sendo 473,7km de ciclofaixas e 30,3km de ciclorrotas.

Outros indicadores que compõe o Ranking são as Conexões Rodoviárias entre estados, % de veículos de baixa emissão, Idade Média de Frota de Veículos, relação entre Automóveis e Habitantes e Relação entre Ônibus e Automóveis, além de mortes no trânsito.  

Entenda mais sobre o Ranking Connected Smart Cities e confira mais resultados aqui.

CURIOSIDADE SOBRE A CIDADE DE SÃO PAULO

O lema da cidade presente em seu brasão oficial é Non ducor, duco: “Não sou conduzido, conduzo”.  

A frase representa o espírito da cidade paulista que é popularmente conhecida pelo seu espírito empreendedor e pelos seus cidadãos que constantemente parecem apressados para chegarem em seus destinos. Como fruto disso, a mobilidade exerce um papel essencial no cotidiano da cidade que está constantemente em movimento.

RADAR CSC

São Paulo firmou uma parceria para desenvolver a “Vale do Silício” brasileira. No final de 2019, o governador de São Paulo, João Dória, foi ao Vale do Silício na Califórnia para uma reunião com a Singularity University, com quem firmou parceria para que no início do ano de 2020, fosse construído um campus da empresa no CITI (Centro Internacional de Tecnologia e Informação), a “Vale do Silício brasileira”. A Singularity University é exemplo de empresa de tecnologia nos Estados Unidos.

Avatar
Beatriz Faria
Especialista em Conteúdo da Necta - Conexões com Propósito
Publicidade

Últimas Matérias

VITÓRIA: EVENTO REÚNE ESPECIALISTAS PARA DEBATER SOBRE SMART CITIES

O evento acontece em formato virtual e apresentará o Plano de Cidades Inteligentes para a capital capixaba, 5ª cidade mais conectada do País, de...

PROBLEMAS SAZONAIS X SOLUÇÕES PONTUAIS: O ERRO HABITUAL DOS PLANOS DE GOVERNO LOCAIS

Seria muito bom viver em cidades que criaram soluções criativas para lidar com os novos desafios  Aconteceu algo muito ruim na minha cidade natal: o...

ABES E BRAZILLAB FECHAM PARCERIA PARA ESTIMULAR INOVAÇÃO NO SETOR PÚBLICO

Participantes terão acesso gratuito, por um período de seis meses, aos serviços e experiência da Associação nas áreas jurídica, regulatória, tributária e mercadológica A ABES...

ABCON E ABDIB ABREM WEBSÉRIE GRATUITA PARA CAPACITAR AGENTES PÚBLICOS SOBRE O NOVO MARCO REGULATÓRIO DO SANEAMENTO

Primeira sessão de debates será realizada na sexta-feira, 26.02, com o tema Regionalização: Segurança Jurídica e Viabilidade Econômica A ABCON/SINDCON, entidade das operadoras de saneamento,...

PRIORIZAR AS PESSOAS É DESAFIO PARA A MOBILIDADE

Especialistas apontam que o protagonismo do cidadão deve ser o caminho para o futuro da mobilidade urbana As cidades estão em transformação e, inevitavelmente, as...