SIEMENS DESENVOLVE VÁLVULA EM IMPRESSÃO 3D PARA O HOSPITAL OSWALDO CRUZ

Equipamento já foi utilizado em 29 pacientes, sendo que sete já receberam alta do hospital e os outros estão se recuperando

A Siemens fechou uma parceria com o Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo, para o fornecimento de uma solução que tem salvado vidas no combate à Covid-19. Após identificar uma necessidade na unidade de saúde da capital paulista, a companhia desenvolveu uma válvula em impressão 3D para serem utilizadas em respiradores que estão sendo utilizados em pacientes contaminados pelo novo coronavírus. 

A iniciativa contou com apoio do Instituto Biofabris/Unicamp, e o processo para elaboração da peça levou menos de 15 dias. Em seu último levantamento, o Hospital Alemão Oswaldo Cruz informou que já utilizou o sistema em 29 pacientes, sendo que sete pacientes já receberam alta hospitalar e os outros estão se recuperando. Com os excelentes resultados, o equipamento segue agora produção em escala. 

A válvula desenvolvida pela Siemens permite utilizar, de maneira segura, respiradores não invasivos e que evitam riscos de contágio da equipe médica durante o tratamento. Além disso, o sistema permite também que pacientes contaminados e casos suspeitos possam conviver no mesmo ambiente da unidade hospital.

“Foi uma grande vitória. Fizemos algo de muita relevância, em ritmo emergencial, como a situação demanda. Mostramos mais uma vez como a Siemens é uma parte importante da sociedade, seja por meio de suas tecnologias, seja integrando pessoas de diferentes capacidades”, diz o gerente de Contas Corporativas da Siemens, Rodrigo Melo.

RESPIRADORES NO SUL DO PAÍS

Outra iniciativa realizada pela Siemens para combater o novo coronavírus foi em parceria com a GreyLogix, empresa de automação industrial e integrante do programa Solution Partrner da Siemens. Com o avanço da pandemia, a GreyLogix percebeu um desafio na região entre os municípios de Mafra (SC) e Rio Negro (PR), no sul do país, onde está localizada: caso o número de infectados crescesse exponencialmente, as duas pequenas cidades dificilmente teriam respiradores em número suficiente para atender os infectados pelo novo coronavírus.

Sendo assim, a GreyLogix decidiu produzir internamente respiradores para serem usados nas instituições de saúde da região. O foco de negócios da empresa não é o setor de saúde – mas, sim, indústria de alimentos, bebidas, papel & celulose, química, entre outros – portanto, o desafio era enorme. Dessa maneira, para garantir que o equipamento produzido seguisse os requisitos médicos necessários, o time da empresa trabalhou em conjunto com médicos, enfermeiros e fisioterapeutas da prefeitura de Mafra e de cidades vizinhas e validou os resultados com equipe médica e engenharia clínica do Hospital SOS Cárdio, em Florianópolis (SC). O projeto contou também com apoio do SENAI e da empresa SC Hospitalar, em São José (SC), para realizar aferições no equipamento.

Como resultado, no tempo recorde de três semanas, os equipamentos foram criados e contaram com soluções Siemens, com destaque para os controladores e IHMs da linha SIMATIC e as fontes de alimentação da linha SITOP. “O projeto da GreyLogix surgiu no horizonte no momento em que a própria Siemens prospectava iniciativas voltadas para a crise do novo coronavírus, com as quais pudesse contribuir”, comenta o executivo da área de Factory Automation da Siemens, Daniel Guimarães.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Siemens

Publicidade
spot_img
spot_img

Últimas Matérias