CYBERSECURITY É RESPONSABILIDADE DO ESTADO?

Como o governo deve proteger constantemente as informações compartilhadas e que meios existem para garantir a segurança dos dados:

Cibersegurança é o conjunto de meios que tem como objetivo proteger programas, redes, computadores e, principalmente, dados. Com a popularização de novas tecnologias, o perigo também aumentou: de acordo com o ex-presidente da União Europeia, Jean-Claude Juncker, os ciberataques “podem ser mais perigosos para a estabilidade da democracia e economia do que armas e tanques”. 

CLIQUE AQUI PARA GANHAR UM MILHÃO DE REAIS

Basta um funcionário desavisado para clicar em um desses famosos links, quase sempre acompanhados de promessas tentadoras, utilizando o computador da empresa que essa já está sujeita a um crime cibernético. Os crimes mais famosos e lucrativos são justamente aqueles que fazem os dados de uma empresa de ‘refém’ e pedem um valor alto em bitcoins para o ‘resgate’. 

A empresa Norton, uma das mais famosas na área de softwares antivírus, revelou que o número de vítimas em 2017 afetadas por esses crimes chegou a 42,4 milhões no Brasil, resultando em um prejuízo de R$10,3 bilhões. Outra empresa que se destaca na área é a Trend Micro, dedicada a soluções de segurança de dados corporativos e cibersegurança para empresas, que realizou um estudo apontando que o número de aplicativos com vírus para Android cresceram em 31% de 2016 para 2017.

De acordo o relatório anual de cibersegurança de 2017 da Cisco, 22% das organizações que sofreram esses crimes perderam clientes, 23% perderam oportunidades de negócios e 29% perderam receitas. Esse resultado se dá, de acordo com a pesquisa realizada pela Kaspersky, pelo fato de que 40% das empresas brasileiras não adotam nenhum tipo de política de cibersegurança ou não informam seus funcionários e colaboradores sobre a sua existência. O mesmo estudo aponta que apenas 45% das organizações brasileiras implementaram regras para essa área- sendo que 15% dessas não obrigam seus funcionários a cumpri-las. 

A CIBERSEGURANÇA NO ESTADO

Não são poucos os casos de vazamento de dados de autoridades no Brasil, sendo que o país ocupa uma posição vergonhosa no Índice Global de Cibersegurança na Organização das Nações Unidas (ONU), ocupando o 66º lugar- ficando atrás de países como Paraguai, México e Quênia. Foi só em Fevereiro deste ano (2020) que o Gabinete de Segurança Institucional criou um novo decreto que definiu novas estratégias de cibersegurança no Brasil. 

A ONU definiu em 2016 o acesso à internet como um direito humano. E se é um direito humano, reservado para todos os cidadãos no mundo, é de responsabilidade do Estado garantir sua segurança. 

O Connected Smart Cities lançou uma série de matérias que abordavam o tema tecnologia e como essa influência no planejamento urbano, pode promover mais transparência e diminuir processos burocráticos- mas, se cada vez mais os indivíduos vão se relacionar com seus governantes de maneira online, é preciso encontrar formas de proteger os dados gerados pelos cidadãos. 

Nesse sentido, é preciso investir em pesquisa e em parques tecnológicos: por ser uma profissão recente e que sofre constante modificações, existem mais vagas no mercado do que profissionais. Cada vez mais, empresas e governos procuram esse serviço, sendo que, de acordo com dados divulgados pela Precise Security, empresa especializada em segurança cibernética, os gastos em produtos de segurança podem chegar à US$151 bi até o ano de 2023. 

A internet do futuro é rápida e livre, servindo como uma aliada aos gestores e cidadãos para transformar cidades em cidades inteligentes e conectadas. E, como em toda cidade, é preciso garantir a segurança: segurança cibernética afeta a todos os setores da sociedade, tanto na esfera pública, como na privada, assim como com na comunidade científica e no terceiro setor. 

ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA CIBERNÉTICA 

Em abril (2020), foi realizada uma videoconferência entre especialistas do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) e o Grupo de Trabalho de Crimes Cibernéticos, coordenado pela Secretaria de Operações Integradas, e a Assessoria Especial Internacional do Ministério da Justiça e Segurança Pública. O objetivo dessa reunião era discutir como o Estado pode se aliar a iniciativa privada e organizações internacionais para combater crimes cibernéticos, sendo que a Estratégia Nacional de Segurança Cibernética, aprovada em fevereiro, foi um passo importante frente a isso. 

Alesandro Barreto, coordenador do Laboratório de Operações Cibernéticas e coordenador do Grupo de Trabalho, afirmou que é preciso unir o governo, a iniciativa privada e a academia para prevenir e remediar esses crimes. Estruturas que unem os três elementos, que já funcionam em outros países, ajudaram a recuperar dinheiro de fraudes eletrônicas, apreensão de produtos falsificados e a identificar os autores dos crimes- sendo estes, o Serviço Europeu de Polícia Europol, a Organização Internacional de Polícia Criminal (INTERPOL) e a agência do governo britânico National Cyber Security Center. 

Com a aprovação do decreto no começo do ano, o Brasil está caminhando para a tendência global de conectividade entre cidades, empresas, gestores públicos, universidades e pessoas. É preciso construir meios de segurança para uma sociedade conectada.

Beatriz Faria
Especialista em Conteúdo da Necta - Conexões com Propósito

Últimas Matérias

CONHEÇA AS MELHORES INICIATIVAS DO PRÊMIO CONNECTED SMART CITIES

Veja iniciativas de sucesso e como essas ideias estão tornando as cidades mais inteligentes e conectadas O Prêmio Connected...

CONSÓRCIO LUZ DE ANGRA DESENVOLVIDO PELA HOUER CONCESSÕES VENCE LEILÃO PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO FLUMINENSE

Com deságio de 31%, a parceria público privada é uma das maiores já assinadas para o munícipio até hoje, sendo o 1º...

PÚBLICO E PRIVADO: A DISPUTA POR LEITOS DE UTI NA PANDEMIA

Sobrecarga no Sistema Único de Saúde ocorre primeiro que na rede privada de hospitais. Lei autoriza mecanismos de transferência de leitos

APROVADO PROJETO QUE AUTORIZA UNIVERSIDADES A FABRICAR EQUIPAMENTOS CONTRA COVID-19

O Projeto de Lei (PL) 1.545/2020 acrescenta dispositivo à lei que trata das medidas empregadas na atual emergência de saúde pública provocada...

INSTITUTO NÃO ACEITO CORRUPÇÃO LANÇA FERRAMENTA NACIONAL DE DENÚNCIAS SOBRE CRIMES COMETIDOS NA PANDEMIA

Com livre acesso a todos os cidadãos e fazendo a ponte com o Ministério Público, o Corruptovírus aceita denúncias de desvios, fraudes...