CONECTIVIDADE PÓS CORONAVÍRUS

Como as medidas de isolamento social mudaram a maneira de se relacionar e como essa tendência de ser ‘online’ pode aumentar as desigualdades

Com as medidas de isolamento social impostas pelo coronavírus, a maneira com que se consome a internet mudou: o uso de conferências de vídeo, sites de notícias, comércio virtual e serviços de streaming tem aumentado o consumo de dados nas redes. Como resultado disso, as principais operadoras do país tem se movimentado para garantir que não exista uma grande lentidão ou, ainda, a possibilidade de um colapso na rede de internet das principais metrópoles brasileiras. 

A mudança no comportamento do usuário durante o coronavírus também alterou a maneira como os dados são consumidos: com o aumento das chamadas de voz, o tráfego de redes ponto a ponto (P2P), ou seja, a que sai da operadora, vai até o ponto de troca de tráfego, ao operador de backbone para só então ir até o provedor local, aumentou também. Esse tipo de conectividade acaba consumindo muito mais rede do que acessar um serviço de streaming, por exemplo, que necessita sair apenas de um CDN (espécie de banco de dados). 

Além disso, nesse momento crítico, a internet não é apenas um meio para garantir o isolamento social: a conectividade tornou-se um mecanismo essencial de participação política. Com decisões sendo tomadas a cada minuto, o fácil acesso à veículos de notícia permite um canal de comunicação direto entre o governo e a população e, além disso, redes sociais viabilizam o diálogo, possibilitando que os indivíduos comuniquem suas opiniões e demandas. 

Em meio a uma realidade tão atípica e delicada, quem não tem acesso à internet em casa ou tem esse limitado por um plano de dados acaba ficando para trás: de acordo com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), no Brasil existem 32,5 milhões de acessos na banda larga fixa e 226,7 milhões na rede móvel- sendo que, nas classes D e E, 83% dos acessos são feitos pela rede móvel, resultando em um número consideravelmente maior de pessoas com pacotes de dados limitados. 

Com a crescente demanda de utilizar essa rede para os estudos, trabalho e até mesmo para acessar dados governamentais, os usuários mais pobres acabam fragilizados. A tecnologia da fibra ótica, por exemplo, só chegou nas zonas centrais de algumas cidades do país. Apesar disso, as operadoras estão se movimentando para lidar com as mudanças impostas pelo vírus: a Vivo irá dar bônus de internet para seus cliente móveis, a Oi reforçou os plantões de manutenção dos seus serviços e a Claro instalou um comitê ‘de crise’ para equacionar a capacidade da sua rede. 

Não é possível saber ao certo quais mudanças a pandemia irá causar nas relações sociais, mas é certo de que a tendência é que as coisas fiquem muito mais ‘online’ mesmo quando a crise passar. Nesse sentido, a internet deixa de ser um luxo e passa ser uma necessidade: é preciso entender que nesse momento a garantia desse serviço é garantir o acesso à educação, ao trabalho, ao comércio e a serviços públicos. O exercício da cidadania também ficou online.

Avatar
Beatriz Faria
Especialista em Conteúdo da Necta - Conexões com Propósito
Publicidade
spot_img
spot_img

Últimas Matérias