MELHORES PRÁTICAS DE GEOTECNOLOGIAS E DRONES PARA AS CIDADES SERÃO APRESENTADAS NO CSC E CSM 19

Baseadas em dados globais do setor,  as geotecnologias e drones geram mais de R$ 1.5 bilhão em faturamento anual, segundo projeções da MundoGeo.

De acordo com estimativas da MundoGeo, a cadeia prática do setor de drones (aeronaves não tripuladas) movimentará, em 2019, R$ 500 milhões, representando um crescimento de 25% e superando os mais de R$ 400 milhões do faturamento alcançado em 2018. Pelos menos 70 mil Aeronaves Remotamente Pilotadas (Remotely-Piloted Aircraft – RPA) estão cadastradas no sistema da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), onde 44 mil são para uso recreativo e 25 mil para uso profissional. Os setores de drones e  geotecnologias, que envolve os sistemas de posicionamento por satélite como GPS, satélites e aviões que monitoram a terra, as plataformas de coleta de dados e análise das informações, além da prestação de serviços, juntos, geram anualmente mais de R$1.5 bilhão em faturamento e empregam atualmente 100 mil pessoas, de acordo com projeções da MundoGeo. Nesse sentido, é necessário repensar o modelo de planejamento urbano das cidades considerando o atual contexto de transformação  e que deverá permear a relação entre os agentes públicos e a população.

Com o objetivo trazer novas práticas mundiais para o desenvolvimento de cidades inteligentes, São Paulo recebe nos dias 17 e 18 de setembro, o Connected Smart Cities e Mobility, iniciativas voltadas para smart cities e mobilidade urbana, respectivamente. Os eventos deverão reunir mais de 3 mil participantes, cerca de 500 palestrantes, especialistas nacionais e internacionais, mais de 200 prefeituras e exposição de empresas que atuam com soluções para esse setor.

“Entre os temas dos eventos, destacam-se mobilidade urbana aérea, geotecnologias e drones. No espaço Arena Drones, os participantes conhecerão na prática as aplicações dessas tecnologias para tornar as cidades mais seguras, conectadas e desenvolvidas para as pessoas. A programação dos eventos traz uma agenda estratégica dedicada ao tema  e com abordagens fundamentais, como regulamentação, usos gerais e cases das cidades de São Paulo e Belo Horizonte”, disse a idealizadora do Connected Smart Cities e Mobility e diretora executiva da Sator, Paula Faria.

O CEO da MundoGeo, Emerson Granemann, que palestrará sobre o tema, cita que pensar as cidades sem considerar a importância crucial das geotecnologias e drones não é mais possível. “Levaremos para os eventos abordagens como: O Mercado de geotecnologias e drones no Brasil e no mundo e regulamentação; Plataformas orbitais, aéreas e terrestres para mapeamento das cidades; Geo e Drones na Indústria 4.0, com foco em smart cities, entre outros pontos. Sem dúvida, a geolocalização é a base para uma cidade inteligente, conectando diferentes disciplinas e ciências em beneficio da população”, enfatiza.

Case São Paulo – GeoSampa
Lançado em 2016, o GeoSampa, ferramenta de dados georreferenciados da Prefeitura de São Paulo, recebeu cerca de 850 mil visualizações apenas nos seis primeiros meses de 2019 e a expectativa para esse ano é atingir 2 milhões de acessos, superando o ano de 2018 (fechou com 1,3 milhão). O portal reúne dados da capital paulista, sendo aproximadamente 12 mil equipamentos urbanos, rede de transporte público, mapas geotécnicos e dados sobre a população, como densidade demográfica e vulnerabilidade social.

A coordenadora da GEOINFO – Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano da Prefeitura de São Paulo, Luciana Pascarelli Santos, que apresentará o case GeoSampa durante os eventos, cita que o GeoSampa traz todas as informações em um só ambiente,  compartilhando, inclusive, dados de outras secretarias, muitas vezes restritos a poucos servidores. “Uma consulta mais ágil permite não só um atendimento mais rápido, mas também mais qualificado. Com o uso da ferramenta já se constata a redução dos prazos de licenciamento de atividades na cidade, emissão de documentos cadastrais e a redução (ou mesmo eliminação) do tempo de acesso à informações, como o zoneamento de um imóvel. Anteriormente, o tempo médio para obter essa informação era de 60 dias e a consulta ao GeoSampa disponibiliza esse dado automaticamente.”

A coordenadora da GEOINFO reforça, ainda, que cidades inteligentes são antes de tudo integradas e que, e para isso, não basta apenas tecnologia, mas as ações de governo e o envolvimento das pessoas, fundamental nesse processo. “O uso dos dados para responder problemas e apontar soluções deve ser estimulado, e é isso que o GeoSampa faz. É importante destacar que a tecnologia permite melhorar desde a infraestrutura e o desenvolvimento econômico, até os níveis de sustentabilidade de uma cidade, melhorando, consequentemente, a qualidade de vida de seus cidadãos”, conclui.

Case Belo Horizonte ­- Cadastro Urbano Multifinalitário e o SINTER
A Agenda estratégica inovação, geotecnologias e drones do Connected Smart Cities e Mobility conta  também com o case sobre Belo Horizonte, referência em geoprocessamento. A apresentação será realizada pela Superintendente de Geoprocessamento Corporativo – Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte (Prodabel), Karla Borges, no Painel: Cadastro Urbano Multifinalitário e o SINTER – Sistema Nacional de Gestão de Informações Territoriais.

Últimas Matérias

CONHEÇA AS MELHORES INICIATIVAS DO PRÊMIO CONNECTED SMART CITIES

Veja iniciativas de sucesso e como essas ideias estão tornando as cidades mais inteligentes e conectadas O Prêmio Connected...

CONSÓRCIO LUZ DE ANGRA DESENVOLVIDO PELA HOUER CONCESSÕES VENCE LEILÃO PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO FLUMINENSE

Com deságio de 31%, a parceria público privada é uma das maiores já assinadas para o munícipio até hoje, sendo o 1º...

PÚBLICO E PRIVADO: A DISPUTA POR LEITOS DE UTI NA PANDEMIA

Sobrecarga no Sistema Único de Saúde ocorre primeiro que na rede privada de hospitais. Lei autoriza mecanismos de transferência de leitos

APROVADO PROJETO QUE AUTORIZA UNIVERSIDADES A FABRICAR EQUIPAMENTOS CONTRA COVID-19

O Projeto de Lei (PL) 1.545/2020 acrescenta dispositivo à lei que trata das medidas empregadas na atual emergência de saúde pública provocada...

INSTITUTO NÃO ACEITO CORRUPÇÃO LANÇA FERRAMENTA NACIONAL DE DENÚNCIAS SOBRE CRIMES COMETIDOS NA PANDEMIA

Com livre acesso a todos os cidadãos e fazendo a ponte com o Ministério Público, o Corruptovírus aceita denúncias de desvios, fraudes...