CORONAVÍRUS PODE DURAR ATÉ NOVEMBRO NO BRASIL, DIZ ESTUDO

Na última sexta-feira (8), tivemos recorde de 751 mortes em 24 horas, de acordo com dados do Ministério da Saúde

SÃO PAULO – A pandemia do coronavírus pode acabar apenas em meados de novembro no Brasil, segundo estima um estudo da Universidade de Tecnologia e Design de Cingapura atualizado nesta segunda-feira (11). O país já enfrenta uma crise econômica devido ao avanço do vírus e a necessidade da quarentena, maneira mais eficaz de diminuir a taxa de contágio atualmente.

A situação do vírus no Brasil é complicada: na última sexta-feira (8), foi registrado recorde de 751 mortes em 24 horas, de acordo com dados do Ministério da Saúde.

A análise da universidade traz uma estimativa teórica de quando o vírus deve parar de circular em 19 países. Para o Brasil, a data foi estimada em 180 dias a partir de 7 de maio. “As mudanças nos eventos teóricos previstos, como as datas finais teóricas, nos permite medir a incerteza enraizada nos cenários do mundo real”, diz o estudo.

Basicamente, essa mudança de datas é medida pela chamada “volatilidade”. “Se o desvio padrão das datas finais previstas for pequeno (independentemente de sua precisão), indica que os cenários não estão mudando. Se for alto, isso pode implicar que mudanças estão acontecendo”, explica o texto.

No caso do Brasil, a previsão é a maior entre os países apresentados. “O Brasil se destaca com uma data final muito distante e alta volatilidade, indicando um mundo real indesejável e incerto no cenário atual, o que exige cautela e ações preventivas”, diz o estudo.

Os EUA também têm um tempo longo para o seu final teórico, pouco mais de cinco meses, o que indica que o vírus deve parar de circular em meados de outubro. Mas, de acordo com o estudo, o país apresenta “bastante estabilidade nas previsões”.

A Suíça, por exemplo, é um caso desejável com uma data final de pouco mais de 70 dias, também contabilizados a partir de 7 de maio. É o menor período estimado e o país apresenta a menor volatilidade. Segundo o estudo, o Brasil ainda está no início do ciclo de vida pandêmico.

O estudo ressalta que as previsões são importantes, “mas que são difíceis dado o cenário de extrema incerteza e um problema tão grave como a pandemia de Covid-19”.

“Por isso, pretendemos explorar os valores do monitoramento preditivo para lidar com a incerteza das previsões e fazer o uso dos resultados para os bens adequados. Monitoramento preditivo significa o monitoramento contínuo das previsões de eventos futuros cruciais, como a flexão e final da curva do ciclo de vida pandêmico, juntamente com os dados reais do histórico até o momento”, diz o estudo.

A Universidade John Hopkins, que monitora o avanço da pandemia, contabiliza, no mundo, mais de 4,1 milhões de casos confirmados da doença e mais de 280 mil mortes.

No Brasil, são 162.699 casos confirmados e 11.123 mortes, segundo dados do Ministério da Saúde desta segunda-feira por volta das 11h.

Fonte: InfoMoney

Publicidade

Últimas Matérias

TECNOLOGIA VOLTADA PARA O SANEAMENTO

A falta de acesso a rede de água e esgoto é ainda um dos principais desafios para as cidades brasileiras. Entenda como a tecnologia...

VITÓRIA: EVENTO REÚNE ESPECIALISTAS PARA DEBATER SOBRE SMART CITIES

O evento acontece em formato virtual e apresentará o Plano de Cidades Inteligentes para a capital capixaba, 5ª cidade mais conectada do País, de...

PROBLEMAS SAZONAIS X SOLUÇÕES PONTUAIS: O ERRO HABITUAL DOS PLANOS DE GOVERNO LOCAIS

Seria muito bom viver em cidades que criaram soluções criativas para lidar com os novos desafios  Aconteceu algo muito ruim na minha cidade natal: o...

ABES E BRAZILLAB FECHAM PARCERIA PARA ESTIMULAR INOVAÇÃO NO SETOR PÚBLICO

Participantes terão acesso gratuito, por um período de seis meses, aos serviços e experiência da Associação nas áreas jurídica, regulatória, tributária e mercadológica A ABES...