Warning: getimagesize(): Peer certificate CN=`siresant.com.br' did not match expected CN=`portal.connectedsmartcities.com.br' in /var/www/portal.connectedsmartcities.com.br/public_html/wp-content/plugins/td-cloud-library/shortcodes/header/tdb_header_logo.php on line 792

Warning: getimagesize(): Failed to enable crypto in /var/www/portal.connectedsmartcities.com.br/public_html/wp-content/plugins/td-cloud-library/shortcodes/header/tdb_header_logo.php on line 792

Warning: getimagesize(https://portal.connectedsmartcities.com.br/wp-content/uploads/2020/03/csc20_logo_3d.jpg): failed to open stream: operation failed in /var/www/portal.connectedsmartcities.com.br/public_html/wp-content/plugins/td-cloud-library/shortcodes/header/tdb_header_logo.php on line 792

CRESCE PARA 69% A PERCEPÇÃO DE QUE PANDEMIA IRÁ DIMINUIR RENDA

A parcela que acredita que a pandemia do coronavírus irá prejudicar a economia do país por muito tempo cresceu de 50%, em março, para 56%. Já, a parcela que espera que a pandemia prejudique a economia por pouco tempo recuou de 44% para 36%. Para 5%, a pandemia não irá prejudicar a economia do Brasil (era 3%) e 3% não opinaram (era 4%). O pessimismo com o impacto da pandemia na situação econômica do país alcança índices mais altos entre os mais instruídos (69%), entre os empresários (70%) e entre os mais ricos (71%).

Quanto ao impacto da pandemia de coronavírus na situação econômica pessoal, as opiniões ficaram divididas, com o índice de pessimismo crescendo em comparação a março. Para 37%, a pandemia irá prejudicar a situação econômica pessoal por muito tempo (era 28%), para 41% irá prejudicar a situação econômica pessoal por pouco tempo (era 45%), para 19%, não irá afetar a vida financeira (era 24%) e 3% não opinaram (mesmo índice anterior). A taxa de pessimistas com o impacto da pandemia na situação econômica pessoal é mais alta entre os mais pobres (43%) e entre os empresários (52%).

No período, a parcela de entrevistados que avaliam que a renda pessoal irá diminuir nos próximos meses cresceu, o índice passou de 57%, em março, para 69% – entre os assalariados registrados o índice é mais baixo, 60%. Observam-se índices mais altos entre os que têm 35 a 44 anos (80%), entre os profissionais liberais (89%) e entre os empresários (92%). A parcela que não espera por redução na renda nos próximos meses recuou de 43% para 30% – esse índice é mais alto entre os mais velhos (46%), entre os funcionários públicos (45%) e entre os assalariados registrados (40%).

A maior parcela (67%) dos que fazem parte da população economicamente ativa declarou que não poderá trabalhar de casa durante o isolamento (era 54% em março) – esse índice sobe entre os menos instruídos (77%) e entre os mais pobres (77%). Já, uma parcela de 33% declarou que poderá trabalhar de casa (era 46%) – entre os mais instruídos (59%) e entre os mais ricos (67%) esse índice é mais alto.

Quando perguntados por quanto tempo conseguem se sustentar sem receber salário ou pagamento por seus serviços, 39% declararam que conseguem se sustentar por até 1 mês (entre os assalariados sem registro o índice sobe para 57%), 19%, por até 2 meses, 11%, por até 3 meses e 17%, por 4 ou mais meses – entre os empresários esse índice sobe para 33%. Uma parcela de 6% declarou que já não está conseguindo se sustentar e 9% não opinaram.

Nesse levantamento, nos dias 01, 02 e 03 de abril de 2020, foram realizadas 1.511 entrevistas por telefone, com brasileiros de 16 anos ou mais, que possuem celulares, de todas as regiões do país. A margem de erro da pesquisa é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos considerando um nível de confiança de 95%.

Fonte: Instituto de Pesquisa Datafolha

Últimas Matérias

ARTIGO PAULA FARIA – EMBAIXADORA MOBILIDADE ESTADÃO: ENCURTAR DISTÂNCIAS É UM DOS GRANDES DESAFIOS DA MOBILIDADE

Mais que melhorar a experiência ou a rapidez com que as pessoas atravessam a cidade, mobilidade urbana significa acesso a oportunidades *Por Paula Faria  “Como sair...

CENSO MOSTRA QUE ENSINO A DISTÂNCIA GANHA ESPAÇO NO ENSINO SUPERIOR

Em 2009, as matrículas dos calouros em EaD representavam 16,1% do total. Em 2018, elas representavam 39,8% do total de estudantes que ingressaram nas...

SMART MOBILITY

Com a pandemia do coronavírus, soluções de mobilidade individual se tornaram mais atrativas De acordo com dados da Associação Nacional dos DETRANS, o Brasil possui uma...

PROJETO DO GOVERNO CRIA MARCO LEGAL DAS STARTUPS E DO EMPREENDEDORISMO INOVADOR

Os objetivos do governo com a proposta incluem fomentar esse ambiente de negócios; aumentar a oferta de capital para investimento em startups; e disciplinar...

CIDADES HUMANAS RESILIENTES E INCLUSIVAS E A GESTÃO PÚBLICA PARA A LONGEVIDADE

Especialistas debatem como tornar as cidades inclusivas aos idosos considerando o cenário de crescente envelhecimento da população  A sexta edição do Connected Smart Cities e Mobility (CSCM)...